Caetano Veloso lança CD e ataca imprensa cultural

O cantor e compositor baiano Caetano Veloso inovou hoje ao lançar pela Internet seu novo disco, Noites do Norte. A música-título é trecho do livro Minha Formação, escrito pelo político e estadista Joaquim Nabuco (1849-1910).Caetano gravou 12 canções, todas disponíveis na Internet desde as 18 horas de hoje (no site www.caetanoveloso.com.br), entre as quais uma homenagem ao cineasta italiano Michelangelo Antonioni, uma regravação de Zumbi, de Jorge Benjor, e uma espécie de homenagem-desagravo ao cantor Raul Seixas (Rock´n´Raul), na qual ele acentua a disposição do roqueiro de "ser americano". O filho, Moreno, toca com ele em algumas faixas.Rock´n´Raul, segundo Caetano, teve inspiração em uma canção de Tom Zé, gravada no seu novo disco Jogos de Armar, na qual ele fala de uma hipótetica ida de Raul e Lampião ao FMI. Já Sou Seu Sabiá foi gravada por Marisa Monte em seu disco Memórias, Crônicas e Declarações de Amor.Em entrevista divulgada no seu site, o cantor falou de afetos e desafetos. Disse que adora a música de alguns detratores seus, como Marcelo D2 e o grupo pernambucano Nação Zumbi. De Antonioni, ele é fã e amigo. O cineasta, contou o cantor baiano, foi visitá-lo em Roma quando ele apresentou lá seu show Fina Estampa e também quando fez o show Prenda Minha.Caetano também mostrou raivosa disposição contra a imprensa cultural. "Os jornalistas se comportam como artistas ultra-comerciais", ele afirma. "Mas se dão o direito de criticar artistas que são, sob o ponto de vista profissional, muito mais responsáveis que eles!". Ele cita os casos de Daniela Mercury ("canta afinado"), Ivete Sangalo ("arrebenta cantando") e Sandy, da dupla juvenil Sandy e Júnior, uma cantora "perfeita, sob o ponto de vista técnico". O jornalista - ele refere-se diretamente àquele especializado na cobertura cultural - "só gosta de grupos de língua inglesa"."Chitãozinho e Xororó cantam afinado, ensaiam bem os shows. Os artigos são mal escritos! Você vai ler: está errado o português! A idéia é primária, o português está errado e ele vai falar mal da Sandy? Vai falar mal de Ivete Sangalo? Não dá! É muito abaixo da Ivete Sangalo, como quem apresenta um produto que vou consumir", vociferou. O disco anterior de Caetano, Livro, que ganhou um Grammy, não foi muito bem-recebido pela crítica.Ele assume a "agressividade" contra certa parcela dos cadernos de cultura. "Sinceramente, não posso aceitar que as mesmas pessoas que agem por uma motivação comercial reclamem contra o comercialismo da axé music ou da música sertaneja ou do pagode!", ele diz. "Tenho vontade de rir quando vejo esse tipo de jornal e esse tipo de jornalismo querendo torcer o nariz para a axé music ou para duplas sertanejas. Digo: comparada com o que vejo nesses veículos, Daniela Mercury é São Francisco de Assis!"O cantor também abordou os problemas de relacionamento que teve com o jornalista Paulo Francis, ex-articulista do Estado de São Paulo. "Mas Paulo Francis era um grande jornalista, um homem muito culto, muito inteligente, escrevia rápido", ele contou. "O grande confronto que houve entre mim e Paulo Francis - e ele me agrediu violentamente - aconteceu porque, mais cedo ou mais tarde, teria de haver um choque: sou uma vedete, um cantor popular famoso, um personagem público do entretenimento com uma capacidade de articular idéias e uma vocação crítica muito desenvolvida que apareceu no meu trabalho e nas minhas entrevistas. Já ele era um crítico e um jornalista muito articulado e que tinha um talento de vedete. Era um mau romancista, o que deve ter lhe causado amargura, porque ele queria ser um homem de alta cultura".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.