Caetano canta para 150 mil em Roma

A música brasileira domina as principais atividades culturais do verão da capital italiana neste ano, que seguramente será lembrado pelos artistas do Brasil e pelo calor intenso. Passaram por Roma a música "doce e melancólica" de Gilberto Gil, em seu duplo papel de cantor e ministro da Cultura do governo brasileiro, Caetano Veloso, Maria Bethânia e na programação de shows agora será a vez de Toquinho. O show de Caetano Veloso, que reuniu 150 mil pessoas na Piazza del Popolo, enfrentando as altas temperaturas da noite de ontem, foi considerado tão importante quanto o que Paul McCartney fez no Coliseu, no ano passado.Definido pela imprensa como o poeta da canção brasileira e acompanhado apenas de seu violão, Caetano fez o silêncio tomar conta da maior e mais charmosa praça de Roma, quando começou a cantar. O momento culminante e esperado por todos foi quanto ele interpretou de maneira muito pessoal, como fez no filme do diretor espanhol Pedro Almodóvar, Cucurucucu Paloma.Seus poemas musicais contrastaram ainda mais com o som dos tambores do grupo brasileiro Afro Reggae, composto por jovens da favela do Vigário Gera, no Rio. Eles cantaram o rap Haiti, lançado há alguns anos por Caetano Veloso e Gilberto Gil, e A Luz de Tieta. Aos 60 anos, Caetano Veloso cantou algumas de suas composições mais conhecidas, como Menino do Rio, Coração Vagabundo, Força Estranha, Trilhos Urbanos e acrescentou uma interpretação pessoal de Volare, que é quase um hino para os italianos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.