Cadáver de James Brown continua à espera do enterro

Três semanas após a morte de James Brown, uma sucessão de escândalos parece impedir que o rei do soul encontre o descanso eterno. Toda a pompa e dor manifestadas após a morte do autor de sucessos como I Feel Good e Get Up (Sex Machine), no dia de Natal, aos 73 anos, parecem ter-se desvanecido e dado lugar a todas as contas pendentes entre a família que Brown nunca conseguiu controlar em vida. O último episódio do drama é a informação de que a última mulher de Brown, Tomi Rae Hynie, e o filho de ambos, James Jr., não estão incluídos na herança do artista. Os outros herdeiros de Brown não reconhecem Tomi como esposa legal de seu pai, pois quando contraíram matrimônio, em 2001, ela ainda era casada com outro homem. Apesar deste casamento anterior ter sido anulado, Tomi e Brown não voltaram a se casar para formalizar sua união, o que permite que seja questionada sua validade aos olhos do advogado do músico Buddy Dallas. Mas, essa história toda deve ser remexida com pinças, pois qualquer afirmação de uma das parte é imediatamente contestada pela outra. Os descendentes de Brown questionam se James Jr. é mesmo filho do artista. Na leitura do testamento, que ocorreu na sexta-feira, Tomi não estava presente, mas seu advogado Robert Rosen anunciou que vai levar o caso aos tribunais para reclamar os direitos da viúva. Tomi, de 36 anos, antiga corista do músico, se encontrava internada em uma clínica de reabilitação para desintoxicar-se de analgésicos quando Brown morreu. Enquanto ocorre o embate de familiares e advogados, o corpo de Brown parece ter se convertido em elemento secundário da trama e permanece embalsamado em sua casa de Beech Island (Carolina do Sul) à espera de ser enterrado. O cadáver está em um caixão lacrado aguardando que a família anuncie o lugar onde finalmente será construído o mausoléu onde ficará. A casa permanece 24 horas por dia sob a vigilância de guardas de segurança e o ataúde está dentro de um quarto com temperatura controlada. As portas do lugar foram fechadas e Tomi não pôde se despedir do homem com quem viveu os últimos anos de sua vida. Dallas justificou assim sua decisão: "os pertences de James Brown poderiam desaparecer da casa como os artigos de uma grande loja de departamentos, a Macy´s, durante a liquidação após o Natal". As paixões causadas por Brown, mesmo morto, não acabam somente com seu legado econômico. Na segunda passada, em Alabama, um homem disparou contra um amigo no abdome após uma discussão sobre o gênio musical. Assim como em vida, James Brown, padrinho do "soul" e patriarca da causa negra, 1,67 metros de altura (sem saltos), continua deixando ninguém indiferente mesmo depois de morrer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.