Cabruêra apresenta sua mistura em SP

Montados em uma carroça puxada por um burro, os integrantes do grupo paraibano Cabruêra fizeram o primeiro show oficial para uma platéia de calouros de Comunicação da Universidade Estadual da Paraíba. Isso foi em 1999. Dois anos depois, o grupo desce até São Paulo para fazer o show de lançamento do primeiro álbum, que leva o nome da banda. Sem a carroça, é verdade, mas com a mesma criatividade. A apresentação acontece hoje, às 23 h, no Blen Blen. O repertório é baseado no ótimo disco Cabruêra (Nikita, R$ 25, em média), uma das melhores coisas que saíram do Nordeste depois do movimento mangue bit. A mistura de forró com o clima psicodélico do Pink Floyd, coco com Hermeto Paschoal e maracatu com Frank Zappa soa ousado, irreverente e extremamente pop. A parte instrumental é tão forte no disco que os vocais chegam até a surpreender, como em Cangaço, quando a voz forte do violonista Arthur Pessoa só entra lá pela metade da música. As experimentações e as reutilizações de objetos do dia-a-dia também são duas característica marcantes do Cabruêra. "Queremos sempre criar algo diferente. Em uma das faixas, o nosso baixista Orlando Freitas toca com uma lixa de unha", disse Arthur Uma das melhores músicas do disco é Forró Esferográfico, no qual Arthur toca com a ajuda de uma caneta Bic. "Eu uso o corpo da caneta como se fosse um arco, e o violão acaba ficando com um som parecido com o da rabeca", disse. "Faz parte da proposta sonora da banda". Recentemente, o Cabruêra cruzou fronteiras e foi mostrar o seu trabalho na Europa. Foram 22 dias, 11 shows em quatro países - Inglaterra, Alemanha, Bélgica e Portugal - , e um grande sucesso de crítica. Agora só falta o Brasil descobrir o grupo.Cabruêra - Hoje, às 23 h, no Blen Blen (R. Inácio Pereira da Rocha, 520, tel.: 3815-4999). R$15.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.