Rob DeMartin
Rob DeMartin

Bruce Springsteen marca o retorno dos shows ao vivo na Broadway

Músico de 71 anos fez uma apresentação emocionante na noite de sábado

AP, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2021 | 09h00

Em outro sinal do renascimento do entretenimento ao vivo, Bruce Springsteen voltou à Broadway neste fim de semana, agarrado à sua guitarra e revivendo um show para um público que incluía um membro de sua E Street Band e o governador de seu estado natal. Springsteen encerrou a temporada em dezembro de 2018 após 236 apresentações, mas foi persuadido a retornar para um bis antes do retorno da maioria dos shows da Broadway, previsto para setembro.

Para o músico, foi claramente emocional. Ele enxugou as lágrimas no final de seu show, no sábado, 26, quando misturou lembranças pessoais com apresentações de suas canções. Ele disse que essa mini turnê vai permitir que ele passe mais tempo, figurativamente falando, com seu falecido pai e outros parentes falecidos. Cada semana traz novas evidências de retomada da vida no entretenimento após uma pausa de 15 meses por causa da pandemia de covid-19.

Festivais e turnês de shows estão sendo agendados, e Springsteen planeja levar sua banda para a estrada no próximo ano. O Foo Fighters reabriu o Madison Square Garden de Nova York para música com um concerto catártico, no dia 20 de junho.

Empolgados pela volta, os fãs aplaudiram as palavras de Springsteen com tanta frequência que ele teve que pedir para que se acalmassem, para que o show não durasse a noite toda. Seu guitarrista de longa data, Steven Van Zandt, foi aplaudido de pé quando ocupou seu lugar na plateia. O governador de Nova Jersey, Phil Murphy, e o secretário de transportes dos EUA, Pete Buttigieg, também estiveram lá no sábado à noite.

“É bom ver todos aqui desmascarados, sentados lado a lado”, disse Springsteen. “Que ano. Estou há 71 anos neste planeta e nunca vi nada parecido.”

O público teve que apresentar comprovante de vacinação para entrar no Teatro St. James. Isso atraiu um ruidoso grupo de manifestantes contra a vacinação que se reuniram na entrada e reclamaram que Springsteen estava promovendo a segregação.

Lá dentro, um membro do público, Gina Zabinski, de Wyomissing, Pensilvânia, disse que era incrível ver a música tocada ao vivo novamente. “Vou chorar”, disse ela.

“Achei que não sentiria tanta falta”, disse Zabinski, que trouxe seu filho Zak, um estudante de teatro musical na Universidade de Miami. “Acho que simplesmente valorizei muito porque antes íamos aos shows o tempo todo.”

Assista ao vídeo:

Outro fã, Benjamin Smith, da Filadélfia, disse: “Não consigo pensar em pessoa melhor para nos ajudar a voltar a esse senso de normalidade”.

Springsteen disse que ele e sua família tiveram sorte durante a pandemia, conseguindo se manter saudáveis e ocupados. “Gravei um podcast com o presidente dos Estados Unidos (Barack Obama)”, disse ele. “Também fui algemado e jogado em uma prisão”.

Ele se referiu à sua prisão em 14 de novembro de 2020 por dirigir embriagado em Nova Jersey. Essas acusações foram rejeitadas posteriormente, pois ele tinha um nível de álcool no sangue abaixo do limite legal do estado e ainda pagou uma multa por tomar duas doses de tequila em uma área onde o álcool não era permitido. "Nova Jersey", ironizou ele. "Eles me amam lá."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.