AFP
AFP

Bruce Springsteen fez show secreto para Obama e equipe

'The Boss' tocou um repertório acústico de 15 músicas no Salão Leste da Casa Branca em 12 de janeiro

AFP

20 Janeiro 2017 | 12h16

Bruce Springsteen fez um show secreto para o presidente Barack Obama e sua equipe, por ocasião de sua saída da Casa Branca, pedindo otimismo em tempos incertos, informou o fanzine da lenda do rock.

Backstreets, uma revista e site de longa data que documenta metodicamente os shows de Springsteen, disse que 'The Boss' tocou um repertório acústico de 15 músicas no Salão Leste da Casa Branca em 12 de janeiro.

O fanzine, citando um leitor anônimo que esteve presente no evento, disse que Obama e a primeira-dama Michelle compareceram ao show, mas que a maioria dos cerca de 200 a 250 presentes eram principalmente funcionários administrativos de baixo perfil.

O ambiente no evento "não era exatamente sombrio, mas também não era festivo. Era elegíaco, eu diria", escreveu a testemunha.

"Havia uma sensação clara de que algo estava terminando, tanto com a conclusão de uma aventura para a equipe como com a presença silenciosa da transição política", escreveu a testemunha, em referência à posse de Donald Trump, programada para esta sexta-feira.

Apresentando sua canção Long Walk Home, de 2007, Springsteen falou "sobre estar em um momento difícil e manter o otimismo", acrescentou.

O fanzine disse que Springsteen cantou duas músicas com sua esposa, Patti Scialfa, que é membro da sua E Street Band, e apresentou seu clássico Born in the USA, dizendo à multidão como a ode às lutas da classe trabalhadora era com frequência incompreendida politicamente.

Springsteen participou da campanha da candidata derrotada Hillary Clinton, e disse em um gigantesco comício eleitoral na Filadélfia que Trump tinha uma "profunda falta de decência".

O leitor do fanzine revelou que o show na Casa Branca se destacou entre as apresentações de Springsteen.

"Foi um gesto humilde e tranquilo de Bruce, agradecer ao presidente Obama, à equipe e suas famílias. Sem pompa, sem cerimônia, sem imprensa. Só o homem, a guitarra e as canções", completou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.