Brit Awards coroa Arctic Monkeys e Paul McCartney

Grupo de rock ganha prêmios de melhor grupo e o de melhor álbum; ex-Beatle é homenageado por sua carreira

Efe,

21 Fevereiro 2008 | 12h17

O grupo de rock Arctic Monkeys, que se apresentou em outubro do ano passado no Brasil, foi o grande vencedor do Brit Awards 2008, a maior premiação da música britânica.   Veja também: Com 5 Grammys, Amy Winehouse se apresenta no Brit Awards   Numa noite em que o ex-Beatle Paul McCartney foi homenageado por toda a sua carreira, o Arctic Monkeys, uma das primeiras bandas a ficar famosa graças à internet, ganhou os dois prêmios para os quais foi indicado: o de melhor grupo e o de melhor álbum (Favourite Worst Nightmare, seu segundo trabalho).   "Somos os mais fantásticos", disseram os membros da banda - Alex Turner, Jamie Cook, Matt Helders, Nick O'Malley - ao receberem um de seus Brits na noite.   O Take That, uma das primeiras boybands do mundo da música e indicado em quatro categorias, também saiu da premiação com dois prêmios: o de melhor performance ao vivo e o de melhor single (Shine).   "Nos sentimos muito honrados. Trabalhamos muito durante anos", afirmou Jason Orange, um dos integrantes do quarteto, também integrado por Gary Barlow, Mark Owen e Howard Donald, e do qual, um dia, já fez parte o cantor Robbie Williams.   Quem também voltou para casa com dois Brits foram os americanos do Foo Fighters. A banda liderada por Dave Grohl ganhou os prêmios de melhor grupo e melhor álbum internacional (Echoes, Silence, Patience & Grace).   A premiação, que aconteceu no pavilhão Earl Court, no centro de Londres, diante de cerca de 8.000 pessoas, foi apresentada pelos Osbournes Ozzy, Sharon, Kelly e Jack.   Uma das artistas mais aplaudidos da noite foi a polêmica Amy Winehouse, recém-premiada com cinco Grammys e que cantou para o público britânico as músicas Valerie e Love is a Losing Game.   Outra cantora bastante ovacionada foi Kylie Minogue, que se apresentou com o single Wow e que ganhou o Brit de melhor cantora internacional.   No entanto, o momento mais emocionante da noite foi, sem dúvida, a entrega a Paul McCartney de um Brit especial por sua "excepcional contribuição" à música.   "A música britânica é a melhor", disse McCartney, que confessou sentir-se "enormemente privilegiado" por ter tocado com os Beatles e com o grupo que antecedeu ao mítico quarteto de Liverpool, o The Quarrymen.   Apesar de ter passado a semana passada envolvido nas audiências judiciais de seu divórcio da ex-modelo Heather Mills, Paul, de 65 anos, animou os convidados ao cantar temas inesquecíveis dos Beatles, como Hey Jude, Lady Madonna e Get Back.   A inconfundível voz do cantor encerrou com chave de ouro a noite do Brit Awards, da qual também saíram vitoriosos o rapper Kanye West (melhor cantor internacional), Mark Ronson (melhor cantor britânico) e Kate Nash (melhor cantora britânica), entre outros artistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.