Brian Jones e Jim Morrison morriam no dia 3 de julho

Problemas com alcoolismo e drogas marcaram carreira dos músicos

O Estado de S.Paulo, O Estado de S. Paulo

03 de julho de 2014 | 17h52

O dia 3 de julho é uma data bastante triste para todos os fãs do rock 'n' roll. Há exatos 45 anos, o gênero perdia um de seus grandes talentos. Em 1969, morria Brian Jones, virtuoso guitarrista e fundador dos Rolling Stones. Curiosamente, dois anos depois, em 1971, os fãs choravam a morte de Jim Morrison, líder do The Doors.

Brian Jones é por vezes esquecido pelo grande público, mas sua participação é fundamental não só para a  história dos Stones, mas do rock. Figura bizarra, Jones foi um músico de extrema sensibilidade musical, capaz de tocar vários instrumentos diferentes. Da guitarra, passando pela cítara, órgão e a flauta.

Jones conheceu Mick Jagger, Keith Richards e Dick Taylor em 1962. No entanto, foi só em 1963 que o grupo atingiu sua formação original, com as entradas de Bill Wyman no baixo e Charlie Watts na bateria.

Inicialmente, Jones se esforçava para criar arranjos consistentes de guitarra. A versatilidade de Jones, todavia, só pode ser comprovada no álbum Aftermath, de 1966. O músico  toca marimba em Under my thumb e faz um solo de gaita de vários minutos em Goin' home. Jones também toca cítara em Paint it black.

Os problemas com o alcoolismo e as drogas fizeram com que Jones fosse demitido da banda em 1969, durante as gravações do álbum Let it Bleed. Jones foi substituído por Mick Taylor.

Em 3 de julho de 1969, o corpo do guitarrista foi encontrado na piscina de sua casa, em Cotchford Farm, região leste do condado inglês. O episódio, na época, foi tratado como acidental, mas as circunstâncias da morte ainda são misteriosas. Alguns ainda cogitam que o músico tenha sido assassinado e a polícia chegou a reabrir o caso.

Jim Morrison. James Douglas Morrison morreu em Paris no dia 3 de julho de 1971, aos 27 anos. Não se sabe muito o que aconteceu. A versão mais conhecida é de que ele teria tido uma parada cardíaca dentro de sua banheira.

Outra versão é que teria tido uma overdose de heroína em um bar e morrido lá, sendo, em seguida, transportado para seu apartamento pela namorada Pamela Coulson.

Pamela Courson chamou um médico, não foi feita uma necrópsia, e Morrison foi enterrado no cemitério de Père-Lacheise. Só depois Pamela comunicou aos amigos, familiares e a imprensa. Isso cercou sua morte de mitos, inclusive, daqueles que acreditam que ele não havia morrido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.