Divulgação
Divulgação

Brasileiro é novo guitarrista do Megadeth

Kiko Loureiro, do grupo Angra, assume guitarra de uma das maiores bandas do metal do mundo

Jotabê Medeiros, O Estado de S. Paulo

02 Abril 2015 | 19h18

Texto atualizado às 19h25 de 03/04/2015 para correção de informações

O guitarrista da banda brasileira Angra, Kiko Loureiro, foi anunciado no Facebook como o novo guitarrista da banda Megadeth, gigante do heavy metal que já vendeu mais de 50 milhões de discos no mundo e recebeu 11 indicações ao Grammy.

O grupo é liderado pelo vocalista e guitarrista Dave Mustaine, que divulgou a contratação de Loureiro no Facebook em uma nota. "Conheci Kiko há 8 anos em uma sessão de fotos para a revista Burrn! Eu não tinha ideia de quem ele era além do fato que era tremendamente talentoso e que o pessoal da Burrn! o tinha na mais alta conta. Desde então eu passei a vê-lo como o virtuoso da guitarra que ele é, e fui profundamente encorajado pela sua profundidade e talento. Muito poucos discípulos do Megadeth têm o mesmo sentimento e habilidade de Kiko. Como disse Frank Sinatra, "o melhor ainda está por vir". Dave Mustaine.

A informação fora primeiro aventada pelo site Babbermouth.net. Mustaine formou o Megadeth em 1983 com o baixista David Ellefson, após ser demitido do Metallica. Pioneiro da cena thrash do metal americano, a última vez que o Megadeth veio ao Brasil foi abrindo para a banda Black Sabbath, há dois anos. Atualmente, além de Mustaine e Ellefson, a banda tem o baterista Chris Adler (também integrante do Lamb of God). O baterista anterior, Shawn Drover, deixou a banda em novembro. Adler disse que Kiko Loureiro é um "tremendo talento" e "uma pessoa maravilhosa", e que trará "um novo nível de excitação e energia para o Megadeth que vai pirar a cabeça dos fãs".

O último disco solo de Kiko Loureiro foi Sounds of Innocence (2012). Os outros integrantes da banda Angra divulgaram um comunicado agora há pouco sobre a saída do colega. Leia abaixo:

Angra apoia totalmente a entrada de Kiko Loureiro no Megadeth.

"Caramba! Minha espinha ainda está dando arrepios! O Kiko no Megadeth! Uau! Que orgulho! Conheço o Kiko há muitos anos e sei que ele merece mais do que ninguém esta grande oportunidade. Digo sempre que temos uma relacão de irmãos e, sendo assim, desejamos sempre o melhor um para o outro. O Kiko vem trilhando sua carreira com muita seriedade e talento.

Aproveito pra dizer que esta é uma grande conquista para o metal nacional também. É algo que todos nós devemos comemorar como uma etapa épica que se inicia. Será bom para o Angra e para todas as bandas da cena brazuca, pois atrairá atenção e visibilidade para o talento dos músicos brasileiros em geral.

om relação aos trabalhos no Angra. Acredito que ele irá cumprir com as atividades com as quais já de comprometeu e sempre fará parte da nossa família. Ele não será capaz de dar as costas, de maneira definitiva, para algo que ajudou a construir com tanto esforço. Tenho certeza de que ainda faremos muitas coisas juntos, dentro e fora do Angra.

Irmão, muita sorte e sucesso pra você!"

Rafael Bittencourt, guitarrista do Angra

--------

Trabalhamos, para ser sempre melhores do que nossos próprios ídolos, e um dia chega à oportunidade. O Kiko trabalhou duro para isso e é um grande orgulho latino americano, e ele merece estar nesta posição agora. O angra fez a diferença se não fosse isso possivelmente ele não estaria sendo escolhido, poderia ser qualquer integrante de nosso grupo, pois essa banda é grande. Se cada americano ou inglês tivesse que passar pelo que nós temos que passar para construir uma carreira; desde aprender a falar o idioma que não é nosso até conquistar e comprar um instrumento musical com um valor muito mais caro do que qualquer americano o inglês paga, já e uma grande vitória se destacar.

Kiko merece, ele é um exemplo de profissional e hoje se mostra um vitorioso e um exemplo a ser seguido por muitos outros brasileiros e latinos que desejam conseguir sucesso em sua vida.

Paulo Baron, empresário do Angra


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.