Brasileiro cobra há 10 anos indenização de Jackson

Márcio de Paula nunca dormiu com Michael Jackson mas conhece o astro bem de perto. Sua perna direita quase foi esmagada, em 1993, por um dos carros da comitiva do cantor que visitava a fábrica de brinquedos Estrela, no Parque Novo Mundo, zona norte de São Paulo. Uma fratura exposta do fêmur, queimaduras e outras escoriações o deixaram com um pino de platina de 40 centímetros na coxa e o desejo de ter justiça. Michael e Márcio travam há dez anos uma batalha nos tribunais que pode chegar ao fim em 2004.A ação indenizatória proposta contra o cantor por danos morais e materiais foi julgada improcedente em 2002. Mas o advogado Wanderley Minitti, que representa Márcio e sua irmã Renata, também vítima do atropelamento, levou o caso para segunda instância, alegando que a Justiça havia ignorado um laudo feito por um perito oficial. Um parecer elaborado pelo procurador Luiz Antônio Forlin foi favorável aos garotos e deu forças para a defesa. O novo julgamento está previsto para 2004. Se perder, segundo cálculos de Minitti, Michael Jackson deverá pagar mais de R$ 1 milhão às vítimas.Márcio, hoje com 25 anos, vive no mesmo Parque Novo Mundo. O assédio da imprensa o atormentou mas serviu para despertar seu interesse por uma profissão. Formou-se em jornalismo mas está desempregado. O pino na perna o impede de praticar algumas atividades físicas, mas diz que leva uma vida normal. Dias depois do acidente, Michael Jackson visitou Márcio no hospital. "Foi puro marketing", resume o rapaz. O cantor disse a Márcio que pagaria seus estudos e todas as despesas dos tratamentos médicos. E que faria o mesmo por sua irmã, Renata. O dinheiro do astro nunca chegou. O pai de Márcio, João Alberto de Paula, vendeu um telefone, um carro e uma casa no litoral de São Paulo para arcar com os gastos. "Nunca recebi nada do Michael Jackson", diz o jovem. Por anos, foi ainda obrigado a ouvir que era um maluco, que não tinha juízo. "Muita gente achava que eu tinha me atirado na frente do carro do Michael Jackson."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.