REUTERS/Rob Galbraith/Files
REUTERS/Rob Galbraith/Files

Box com discos revela faceta cristã de Bob Dylan

Canções foram compostas entre entre 1979 e 1981, quando o cantor e compositor se converteu ao cristianismo com a fé e o entusiasmo de um autêntico pregador

O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2017 | 21h30

A fase cristã de Bob Dylan, um dos períodos mais misteriosos e peculiares de sua carreira, está no centro de sua nova coletânea  de raridades e canções inéditas Trouble No More, o 13º volume das aclamadas The Bootleg Series.

Uma centena de temas reunidos em canções ainda não divulgadas, demos, ensaios e gravações ao vivo compõe um mastodôntico pacote de oito discos e um DVD que vai fundo na obra de Dylan entre 1979 e 1981, quando ele  se converteu ao cristianismo com a fé e o entusiasmo de um autêntico pregador.

Estudiosos de Dylan especializados em decifrar cada milímetro de sua trajetória já falaram dos anos cristãos do músico ao comentar os álbuns Slow Train Coming (1979) e Shot of Love (1981).

Após consagrar-se nos anos 1960 como ícone do  folk e da canção de protesto, o prêmio Nopara depois impactar os fãs ao eletrificar seu som e aproximá-lo do rock, o prêmio Nobel de Literatura, na década de 1970, oscilou entre tropeçoss e trabalhos soberbos, como Blood on the Tracks (1975) ou Desire (1976).

Entretanto, Dylan deixaria pasmados os fãs ao lançar, em 1979 Slow Train Coming, um disco no qual ele, de origem judaica, manifestava entusiasticamente sua conversão ao cristianismo e fazia da fé o surpreendente laço a unir todas as canções. 

Essa inesperada explosão criativa e espiritual não foi muito bem recebida.

 “Fiquei um pouco decepcionado. Queria ouvir rock and roll e o que havia era Dylan cantando gospel. Para ouvir sermões, teria ido à igreja”, comentou um dos fãs insatisfeitos no documentário que faz parte do novo lançamento discográfico.

A verdade é que o gospel e o blues se infiltraram no rock intenso de Dylan naqueles anos, quando seus poderosos concertos  mesclavam misticismo com temas que falavam diretamente, sem rodeios e metáforas rebuscadas, de fé, salvação, pecado, redenção, tentações e encontros com Deus.

Trouble No More apresenta novos arranjos e  interpretações diferentes de canções como Gotta Serve Somebody, When You Gonna Wake Up ou Precious Angel que não destoariam numa missa com ares de rock. Contém ainda 14 temas não editados  até agora, embora alguns já tenham  chegado aos fãs pelo mercado informal, como Ain’t Gonna Go to Hell for Anybody e Jesus is the One.

Um dos pontos altos de Trouble No More é o documentário homônimo dirigido por Jennifer Lebeau, que intercala trechos inéditos dos concertos de Dylan em 1980 e fragmentos com o ator Michael Shannon interpretando um sacerdote em plena homilia, trazendo o contexto religioso no qual Dylan se movia nesses tempos.

Mas o que mais chama a atenção no documentário é a enorme devoção e ardor espiritual de Dylan, totalmente comprometido com sua nova fé cristã. Ele é acompanhado por uma banda impecável e um coral feminino , numa clara referência ao gospel e à intenção de difundir o Evangelho por meio do rock.

Trouble No More será vendido a partir do dia 3. Além da edição completa de oito discos e um DVD, estará disponível em uma versão mais modesta e acessível de apenas dois álbuns. / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

Mais conteúdo sobre:
Bob Dylan

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.