Bossa Nossa

Praça Roosevelt, centro de São Paulo. Foi lá que os músicos paulistanos fizeram seu calçadão de Ipanema. Em bares e boates, a Bossa Nova ganhou vida em uma terra que fora chamada de túmulo do samba

Gilberto Amendola,

26 Abril 2008 | 19h51

A Bossa Nova também encontrou sua praia aqui em São Paulo. Quem não viveu as décadas de 50 e 60 vai ter alguma dificuldade em acreditar, mas o cantinho do movimento era a Praça Roosevelt, no centro da Cidade.   O local, que desde a década de 80 vive um processo acentuado de degradação, abrigava os points mais freqüentados pelos artistas e amantes daquele novo jeito de fazer música. Casas como a Baiúca, Bon Soir, o Stardust (em sua primeira versão), Farney’s (propriedade do cantor Dick Farney - que depois se transformaria no Djalma’s) e o bar Chicote compunham o cenário da efervescente Praça Roosevelt.   Eram nessas boates e restaurantes que o banquinho e violão acontecia em Sampa. Na Baiúca, por exemplo, era comum assistir a shows de Johnny Alf e Dick Farney. Foi nessa casa que o Zimbo Trio, o grupo mais representativo da Bossa paulista, se formou. Teria sido também na Baiúca que Vinicius de Moraes soltou a famosa sentença nos ouvidos do pianista Johnny Alf: "São Paulo é o túmulo do samba".   Entre o final dos anos 50 e o começo dos 60, a Baiúca, que era uma espécie de piano bar e restaurante (sem pista de dança), vivia lotada. "Tinha que morrer um para outro poder entrar", brinca o ex-caixa da Baiúca, Renato Orbetelli, 60 anos.   "O clima da Baiúca era incrível. A música era sensacional e a comida, nem me fale. Tinha um filé à Chateaubriand (com molho mostarda) que era imbatível", diz Rubinho, 75 anos, baterista fundador do Zimbo Trio. "Os melhores estavam na Baiúca. Tudo aconteceu lá dentro", completa o lendário baixista Sabá, 84 anos, que na época acompanhava Johnny Alf.   Por causa do movimento na Baiúca, José Renato Romano, 63 anos, abriu um salão para cortar o cabelo dos fãs de Bossa Nova que freqüentavam o lugar. "Foi um período de ouro. A Praça Roosevelt era linda, não tinha violência, não tinha sujeira. Só charme e música", lembra Renato.   O barbeiro continua na Praça Roosevelt. "As coisas mudaram muito. Ainda corto o cabelo do pessoal daquela época. Se não fossem por esses clientes... Tenho muita saudade daquele tempo", comenta Renato. Para o barbeiro, o maior exemplo de como as coisas mudaram na Praça Roosevelt foi o destino do próprio Baiúca. "Hoje, onde existia o Baiúca, foi instalado um supermercado. Nada contra, mas nada a ver com o espírito da época."   Mais sorte do que a Baiúca teve o Farney’s, que nos anos 60 virou Djalma’s. Hoje no local existe um simpático bar chamado Papo, Pinga e Petisco. Seu proprietário, Esdras Vassalo, conhecido como Doca, manteve algumas características do bar original. "Principalmente o espírito", garante Doca, que nos anos 50 e 60 também foi proprietário da boate Cave, na Rua da Consolação, conhecida por abrigar artistas da Jovem Guarda.   A importância do Djalma’s, atual Pinga, Papo e Petisco, é fácil de entender. Foi lá que, no dia 5 de agosto de 1964, Elis Regina fez seu primeiro show na Cidade. "Muitos fãs da Elis vêm até o bar. É emocionante. Tento preservar a memória do lugar e da Praça Roosevelt. Quem sabe um dia a gente consegue levantar esse pedaço da Cidade outra vez", disse Doca. "Eu só queria que a Maria Rita (filha de Elis) viesse aqui uma vez. Será que ela conhece essa história?", pergunta.   As cantoras Claudete Soares e Alaíde Costa também foram duas expoentes da Bossa Nova na Praça Roosevelt. "Deixei o Rio porque lá já tinha a Nara Leão. O espaço já estava ocupado. Em São Paulo, eu e a Bossa fomos bem recebidas", conta Claudete. "O ambiente da praça era propício. Parecia que todo mundo gostava e entendia de música por lá. Em qualidade musical, mesmo em se tratando de Bossa Nova, São Paulo nunca ficou atrás do Rio de Janeiro. A Praça Roosevent foi um lugar inesquecível", completou Alaíde Costa.   O musicólogo e crítico de música Zuza Homem de Mello também guarda boas lembranças sobre o lugar. "A Praça Roosevelt, a Baiúca, o Djalma’s e todas aquelas casas eram redutos de boa música. Todo mundo que era relevante para a Bossa Nova aqui em São Paulo passou por lá. Os músicos e o público eram respeitados. Tudo era de muito bom gosto. A Praça Roosevelt tinha música na veia."   Se os bons tempos da Praça Roosevelt podem voltar, ninguém é capaz de afirmar. Mas, a partir do mês de maio, o local irá passar por uma reforma profunda. A expectativa é de que, em dez meses, os trabalhos estejam concluídos.   A praça vai ganhar 70 árvores e, provavelmente, um telecentro. Além disso, fala-se na construção de um novo teatro e até de um cachorrodrómo. A reforma vai custar R$ 12 milhões. Os estacionamentos, um supermercado e um centro da GCM estão sendo retirados do local. Os recursos para a reforma vêm do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).   Sobre a expectativa de ver a Praça Roosevelt brilhando novamente, Zuza é pessimista. "Não. Não dá mais. Hoje aquele lugar nem pode ser mais chamado de praça. Quem viveu aquele período viveu. O trem passou e quem pegou, pegou".

Mais conteúdo sobre:
Bossa Nova

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.