Guilherme Sobota/Estadão
Guilherme Sobota/Estadão

Boogarins mostra que a Tropicália chegou ao século 21 em show no Lollapalooza

Banda se apresentou às 14h em um dos palcos do festival

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

28 Março 2015 | 15h03

Confirmando as expectativas deixadas pela banda goiana em São Paulo desde o anopassado, o Boogarins pintou o palco Axe do Lollapalooza Brasil, na tarde destesábado, 28, com suas cores psicodélicas.


Quem deixou pra vir mais tarde provavelmente perdeu um dos melhores shows dodia. As canções do ótimo álbum As Plantas que Curam, tocadas para um públicoque poderia ser bem maior, trazem para o palco uma vitalidade renovada. Comentrosamento, disposição e uma presença de palco segura, a banda conseguetrazer a Tropicália para 2015 com toques do melhor rock' n' roll. DoceErreInfinitu e Lucifernandis são canções que sintetizam a força da banda no palco.

Fernando Almeida é um verdadeiro rock star no palco. A combinação com aguitarra de Benke Ferraz traz os ares psicodélicos dos anos 1960 e a suapresença andrógina no palco é mistura bem sucedida de Iggy Pop negro comCaetano Veloso jovem. Mais brasileiro, impossível.

O Boogarins subiu ao palco mais tarde do que o previsto, às 14h, em razão docancelamento do show de Marina and the Diamonds, que tocaria mais tarde nomesmo palco.

O Boogarins é Fernando Almeida (voz e guitarra), Benke Ferraz (guitarra),Raphael Vaz (baixo) e Ynaiã Benthroldo (bateria).

Mais conteúdo sobre:
MúsicaLollapaloozaBoogarins

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.