Bono do U2 compra a revista Forbes

Um grupo privado, Elevation Partners, que tem entre seus seis principais integrantes o cantor Bono, a estrela da banda irlandesa U2, fechou na sexta-feira um contrato de participação de 40% dos negócios editoriais da família Forbes, que edita a revista homônima, pagando entre US$ 200 e US$ 300 mil, segundo uma pessoa que participou da transação e informou o jornal "The New York Times". O negócio foi realizado por Steve, quinto filho de Malcolm Forbes, que muito antes de Madonna e Donald Trump criou sua marca famosa com a revista que criou e o estilo de vida que representa. Hoje, a revista Forbes, segundo o jornal, aparentemente não tem produzido capital suficiente para suportar o império da família Forbes.O grupo de Bono torna-se assim o primeiro forasteiro a investir nos negócios de mídia da empresa. Assim, a Elevation Partners, uma empresa de mídia e entretenimento torna-se acionista minoritária da Forbes Media LLC, que edita a luxuosa revista de negócios Forbes, que existe no mercado há 89 anos, do site da revista na internet Forbes.com e outros negócios.A Elevation Partners declara que seu objetivo é ajudar as empresas tradicionais de mídia a conseguir benefícios através de novos produtos, incluindo a internet. O grupo destaca também a participação de Bono, uma das celebridades de maior destaque na luta contra a pobreza, como um elo importante com o "capitalismo empreendedor" defendido pela família Forbes.Em entrevista ao "NYT" por telefone, Steve Forbes declarou "meu pai e meu avô aprovaram", ao falar do escritório da Forbes no bairro de Manhattan, em Nova York. "Ninguém é o máximo nesse universo. Tempo e circunstâncias mudam. Nós quisemos aproveitar esta enorme oportunidade que estava diante de nós e a Elevation entende de tecnologia, mídia e gráfica. Não foi apenas uma fonte de capital, mas de insight".Bono e sua banda U2 estão no ranking da Forbes, entre celebridades mais ricas do ano. Governo e fãs da Irlanda criticam BonoO governo irlandês criticou o grupo de rock U2, e especialmente o vocalista Bono Vox, por ter transferido parte de seu império milionário para a Holanda por razões fiscais. Bono também foi criticado em seu país, até mesmo de seus fãs no âmbito das causas sociais, por adquirir por US$ 300 milhões 40% da Forbes Media, o grupo editorial norte-americano símbolo do capitalismo mais ferrenho.A banda seguiu o exemplo dos Rolling Stones, que desde 1972 têm depositado todos os seus rendimentos provenientes de direitos autorais para a Holanda, onde, diferentemente de outros países, não são aplicadas taxas sobre os royalties. Segundo a imprensa irlandesa, a U2 Ltd, sociedade que administra os direitos autorais da banda que tem uma fortuna estimada em torno de 690 milhões de euros, teria iniciado a transferência de capital de Dublin para a Holanda no dia 1.º de junho.O governo irlandês criticou prontamente Bono Vox, que durante as campanhas pela luta contra a pobreza no Terceiro Mundo pediu várias vezes a Dublin para aumentar as ajudas econômicas destinadas aos países em via de desenvolvimento."Tendo ouvido Bono falar da necessidade do governo irlandês destinar mais fundos à Ireland Aid (o canal através do qual o governo de Dublin presta sua ajuda aos países pobres), me surpreende que o U2 não esteja disposto a contribuir de maneira igualitária com as taxas do Estado, como todos os outros contribuintes irlandeses", declarou um porta-voz do Ministério das Finanças.(Matéria alterada ás 16h00)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.