Bob Dylan Center
Bob Dylan Center

Bob Dylan Center, apresentando materiais de arquivo, será inaugurado em 2022

Após a aquisição dos arquivos até então secretos do cantor e compositor em 2016, uma fundação com sede em Tulsa colocará letras, fotos e filmes em exibição em Oklahoma

Joe Coscarelli, The New York Times

14 de maio de 2021 | 08h19

Alegrem-se, dylanologistas! Os arquivos serão abertos.

A partir de 10 de maio de 2022 - seis anos depois de os arquivos secretos de Bob Dylan terem sido revelados e adquiridos pela fundação de um bilionário de Oklahoma - cerca de 100 mil peças estarão disponíveis para visita em Tulsa.

A inauguração do Bob Dylan Center, anunciada na quarta-feira, trará manuscritos de letras, fotografias, músicas e vídeos raros e nunca antes vistos, juntamente com uma nova “experiência cinematográfica envolvente” e a “recriação de um autêntico ambiente de estúdio”, disseram os organizadores. As informações sobre abertura para o público serão divulgadas no final do ano, e a filiação na qualidade de fundador (limitada a 250 pessoas) já está disponível por 7.500 dólares.

O centro de três andares no distrito artístico de Tulsa - projetado pelo escritório de arquitetura Olson Kundig - foi fundado pelo American Song Archives e sua patrocinadora, a George Kaiser Family Foundation, que junto com a Universidade de Tulsa adquiriu os arquivos de Dylan por algo entre 15 milhões de dólares e 20 milhões de dólares em 2016. (Originalmente avaliada em mais de 60 milhões de dólares, a maior parte dos materiais foi doada).

Ao anunciar a aquisição, o New York Times caracterizou os tesouros como “mais profundos e vastos do que a maioria dos especialistas em Dylan poderia imaginar, prometendo uma perspectiva incalculável sobre a obra do compositor”. (Mas é claro: “Em meio a essas montanhas de papel, Dylan, o homem, continua sendo um enigma”).



A George Kaiser Family Foundation, batizada em homenagem ao magnata do petróleo e doador democrata, também administra o Woody Guthrie Center na mesma rua. Um dos primeiros heróis de Dylan, Guthrie nasceu em Oklahoma, e Dylan, agora com 79 anos, observou na época que “faz muito sentido e é uma grande honra” que seus arquivos estejam tão próximos, ao lado da coleção de Arte nativa americana da fundação.

George Kaiser disse que obteve os arquivos dos cantores para facilitar tanto o estudo acadêmico quanto o turismo, na esperança de revitalizar Tulsa. (Os centros Guthrie e Dylan ficam perto do distrito de Greenwood da cidade, antes conhecido como Black Wall Street, local do Massacre Racial de Tulsa, atrocidade de 1921 que vem sendo revisitada por jornalistas, historiadores e pela cultura popular).

Junto com seu anúncio, como uma espécie de provocação, o Dylan Center também divulgou a existência do que chamou de uma “versão desconhecida” de Don't Think Twice, It's All Right, gravada num apartamento da East 3rd Street, em 1962. A música, com outra letra, foi lançada no ano seguinte no álbum The Freewheelin’ Bob Dylan.

Em outro anúncio, o Patricia & Phillip Frost Art Museum de Miami disse esta semana que vai receber uma exposição intitulada Retrospectrum, com cerca de 120 desenhos, pinturas e esculturas de Dylan, somando alguns itens a uma coleção que originalmente estreou em Xangai. A mostra vai de 30 de novembro a 17 de abril de 2022.


Tradução de Renato Prelorentzou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.