Natalia Russo/Estadão
Natalia Russo/Estadão

Blues de brasileiro é o mais tocado nos EUA

‘Way Down South’, da Igor Prado Band, é o 1º CD sul-americano a atingir a marca; uma turnê pelos EUA e Europa está agendada

Julio Maria, O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2015 | 03h00

O caminho contrário não é fácil de imaginar. É como se o palco de uma das casas de samba da Lapa carioca recebesse um grupo norte-americano que tocasse com fidelidade e suingue músicas de Cartola, Wilson Baptista, Xangô da Mangueira e Noel Rosa. E então, esse mesmo grupo passasse a ser executado em todas as emissoras de rádio de samba do País a ponto de ficar no topo da lista. E ainda esse mesmo grupo saísse em uma turnê pelo Brasil com uma agenda de shows por locais tradicionais.

Igor Prado, 31 anos, tem o feito a comemorar. Guitarrista de São Caetano do Sul, com uma banda de blues na estrada que hoje leva seu nome, atingiu o primeiro lugar das paradas norte-americanas com o álbum Way Down South de acordo com a medição da Living Blues Chart, que controla as execuções em mais de 80 programas de rádio nos EUA. A gravadora norte-americana Delta Groove atesta que o paulistano é o primeiro sul-americano a bater o número 1 no ranking dentro dos EUA.

Igor vem acontecendo aos poucos, desde que começou a imitar os passos de Chuck Berry na sala de sua casa, aos 7 anos. Way Down South, que não tem plataforma física lançada no Brasil mas que pode ser escutado na internet, não precisava do Olimpo das rádios norte-americanas para ser considerado um acontecimento. Gravado sem obedecer um projeto mais ambicioso em estúdios no Brasil e na Califórnia, reúne convidados de renome que, em geral, apareceram nos dias de gravação, perguntaram que música iam cantar e contaram até três. Não é o disco mais produzido do grupo, mas, talvez por isso, soa com uma verdade incontestável.

A rede de contatos e o nível de respeito crescente fica visível na ficha técnica, com convidados como o bluesman Sugaray Rayford (em Matchbox e Big Mama Blues); o cantor e gaitista Kim Wilson (Ride With me Baby); o melhor herdeiro do mago Muddy Waters, seu filho e cantor Mud Morganfield (She’s Got It); o também cantor e gaitista de west coast blues, Rod Piazza (Talk To Me Baby) e um dos mentores da carreira de Igor, o cantor a quem o álbum é dedicado in memoriam, Lynwood Slim (em Baby Won’t You Jump With Me e You Better Believe Me). “Começamos a aprender a falar a língua dos caras”, diz Igor.

Uma turnê de lançamento pelos Estados Unidos e Europa está fechada. Nos próximos dias, a Igor Prado Band (que tem o irmão de Igor, Yuri, na bateria; Rodrigo Mantovani no baixo e Denilson Martins no sax) sai para apresentações no Missouri, Tennessee, Califórnia e Texas. Em Memphis, farão uma jam para inaugurar o Blues Hall of Fame Museum, ao lado da lendária Canned Heat e de Elvin Bishop, e participam do segundo maior festival de blues do mundo, o Doheny Blues Festival, com Bonnie Raitt, Paul Rodgers, Taj Mahal e Beth Hart. A agenda europeia, em julho, inclui Espanha, Rússia, Áustria e Hungria. Na Espanha, estarão no Blues Cazorla Festival, que vai levar Los Lobos, John Hiatt e Imelda May.

O segredo de Igor Prado e seu blues desbravador, além de um trabalho minucioso de pesquisa – e justiça seja feita ao homem que primeiro o levou às placas tectônicas do gênero dos anos 40 e 50, o especialista Chico Blues, – está em algo chamado atitude. Pois quando todos queriam ser Stevie Ray Vaughan, o texano morto em 1990 que revigorou o blues no mundo na década de 1980, Igor ia atrás de guitarristas seminais dos anos 50. “Você gosta de Stevie Ray Vaughan?”, perguntava Chico Blues. “Então ouve esse cara aqui também”. E o cara era Albert King, quem Stevie tomava com torradas no café da manhã. “Gosta de Johnny Winter? Então ouve esse cara aqui.” E o cara era Blind Willie Johnson, um guitarrista morto em 1945 que já era endiabrado com um o bottleneck nos dedos (tubo de vidro ou metal que desliza sobre as cordas).

A postura é refletida diretamente na proposta da banda. O blues no Brasil tem poucos grandes guitarristas, como Nuno Mindelis, Celso Blues Boy (morto em 2012) e Andre Christovam. Grande parte das bandas na cena pós Stevie Ray Vaughan segue os padrões texanos, o das pegadas vigorosas feitas com Fender Tele ou Stratocaster sempre no protagonismo, com solos extensos e vocais abertos. Já o blues da Igor Prado tem influências mais remotas e, muitas vezes, traz uma humildade dos coadjuvantes que cedem a melhor cama para a visita. Talvez esteja aí um dos atrativos que os fazem circular com facilidade pelo west coast de Rod Piazza e Lynwood Slim e pelo Chicago blues de Mud Morganfield.

Outra questão de atitude está na decisão de Igor em assumir as funções de empresariar, divulgar e costurar as gravações, enfim, se mexer. A nova configuração de músico pós internet não comporta mais a figura do artista que fica em casa compondo e esperando o telefone tocar. Igor foi à luta para escrever sua história.



Tudo o que sabemos sobre:
CulturaMúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.