Björk vira atração no Pelourinho

É verdade que tudo pode acontecer no carnaval baiano, mas no início desta semana, nem o mais preparado dos oráculos entre os foliões esperava. Um pequeno terremoto sacudiu o Pelourinho quando a cantora cult islandesa Björk apareceu na área com um vestido preto de babados e sandálias havaianas vermelhas. Tudo isso sacudindo seu corpo ao som do Cortejo Afro. Até que falando-se em Björk, não é tão estranho assim. Basta lembrar a inesquecível cena da cantora vestida de cisne na cerimônia do Oscar - 2001, quando concorreu ao prêmio de melhor canção original por I´ve Seen It All, composta por ela para o filme Dançando no Escuro, de Lars Von Trier. Ela era também a protagonista e conquistou a Palma de Ouro em Cannes pelo papel.Bom, mas a explicação para sua presença no Pelourinho é que a cantora é casada com o artista plástico americano Mathew Barney, que ao que tudo indica veio para fazer o visual do trio elétrico ecológico de Daniela Mercury.Participava também da cena o produtor musical Arto Lindsay, nascido nos Estados Unidos e criado no Brasil, ele é um fã de carteirinha da música brasileira, e estava ali para fazer um vídeo sobre a folia baiana. Arto vai liderar com uma câmera um trio elétrico no domingo de carnaval no circuito Campo Grande. Arto vem alimentando a idéia há pelo menos quatro anos e finalmente conseguiu colocar a idéia em prática, daí ter trazido a parceira, nascida em terras frias. Nem todo mundo reconheceu a cantora nas baixadas do Pelô, mas seu visual chamou bem atenção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.