Billy Bond, novamente uma estrela do rock argentino

O roqueiro argentino Billy Bond teveuma carreira até que respeitável no cenário de seu país nos anos1960. Ele foi um dos ícones do rock progressivo com seu grupo LaBiblia, depois fez carreira-solo e acabou vindo parar no Brasilem 1978, para produzir um disco dos Secos & Molhados. Depois, foi para o palco, quando passou a integrar ogrupo brasileiro Joelho de Porco. Nessa época, seu estilo acabouinfluenciando uma geração à frente - o DJ e produtor Kid Vinildiz que Billy foi uma de suas referências. Os velhos discos de Billy viraram uma raridade nomercado de vinis da Argentina. "Já vi o meu primeiro disco sendovendido por US$ 1,8 mil", ele se diverte. "Eu mesmo não tenhomais nenhum, isso faz muito tempo. Acho que virou raridadeporque é um ícone do rock dos anos 60 e 70 na Argentina. Não seicomo comparar. É como se fosse um discos dos Ramones, um rockradical em sua época." Ele também credita à tiragem e circulação baixa dosálbuns naquela época o fato de terem se tornado pérolas domercado de vinil. "Na época, isso não vendia, era muitounderground. Mas, hoje, quem tem uns quatro desses, é como setivesse ouro em pó." De uns anos para cá, Billy tornou-se umprodutor de sucesso no mundo do teatro e dos musicais. Foi oprodutor de Rent, Aí Vem o Dilúvio. Em 2000, ele estava emebulição profissional e prometia: "São Paulo ainda vai chegar aopatamar de Buenos Aires, que tem 18 grandes teatros e umaprodução constante de musicais." O tempo pode ter passado parao produtor Billy Bond. Mas, no guia Record Collector Dreams (e nas feiras e bancas de colecionadores), é de novo uma estrela do rock.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.