Beyoncé Knowles: destinada ao sucesso

O destino escolheu sua criança, e o nome dela é Beyoncé Knowles. A integrante do grupo Destiny?s Child, que há 13 anos está na cena musical americana, se destacou de suas colegas e vem alcançando enorme sucesso num vôo-solo que ameaça tornar-se o principal em sua carreira. Festejada pelas revistas de música, Beyoncé sorve os frutos do milhão de discos que vendeu com seu primeiro álbum sem as companheiras, Dangerously in Love, lançado há apenas dois meses.Beyoncé vem colhendo elogios correspondentes à venda de seu primeiro disco-solo. Uma revista musical da Inglaterra chamou-a, recentemente, de rainha do pop. Não é para menos, afinal a cantora conseguiu, em terras britânicas, a proeza de se manter em primeiro lugar na parada tanto de singles, com Crazy in Love, quanto na de discos. Nos Estados Unidos, deu-se o mesmo: Dangerously in Love e Crazy in Love foram ao topo das paradas da Billboard. Não que o sucesso seja coisa nova para Beyoncé Knowles. O Destiny?s Child é visto hoje como um dos maiores grupos de R&B feminino de todos os tempos. Se o critério for venda de discos, pode ser mesmo o maior. Até 2002, o grupo que nasceu em Huston, Texas, com três meninas de cerca de dez anos, vendera 33 milhões de discos. Mas problemas extra-musicais, como brigas e processos judiciais, minaram a união das amigas. De forma que, em 2001, elas concluíram que deveriam tentar carreiras-solo, mas sem terminar o Destiny?s Child. Quem deslanchou foi Beyoncé Knowles, superando de longe as tentativas de Kelly Rowland e Michelle Williams, suas companheiras de banda. Se os anos de sucesso na adolescência serviram para algo mais que ganhar dinheiro, merece destaque a maturidade de Beyoncé. Com 22 anos, a diva é respeitada tanto por seu sucesso de público como por sua personalidade pé no chão, avessa às fofocas e exposição de detalhes particulares. Nada parece abalá-la, nem mesmo as aparições, sempre bem recebidas, no cinema. Seja como atriz em Austin Powers e o Homem do Membro de Ouro, ou como cantora, na trilha sonora de As Panteras. Fora tudo isso, há a música. A cantora joga sua voz potente numa black music democrática, dirigida a adolescentes que gostam de dançar. A fórmula para cativar seu público é mais que batida, e nem por isso soa menos certa. Beyoncé Knowles canta sobre o amor, sexo, amizade, bons sentimentos, sobre a vida, temas que estão no fundo de quase todas as conversas adolescentes. Desde que com boa voz, pode dar errado?Clique aqui para ouvir trechos de Crazy in Love

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.