Bethânia canta inédita de Capinan e Roberto Mendes

A cantora Maria Bethânia guarda o repertório de seus shows a sete chaves mas é praticamente certo que entre as várias músicas inéditas que apresentará em seu novo espetáculo, Tempo Tempo Tempo Tempo, que estréia amanhã no Canecão, no Rio, estará Olhar Estrangeiro, de Roberto Mendes e Capinan, cuja letra o portal estadao.com.br conseguiu com exclusividade (veja abaixo). Bethânia descreveu a canção, feita especialmente para ela, como a mais feminina e cheia da sabedoria do amor de mulher que já viu desde que Chico Buarque deixou as cantoras de MPB órfãs ao dar uma pausa em suas composições feitas sob a ótica da alma feminina, como em Olhos nos Olhos e Teresinha, ambas gravadas por Bethânia. Com letra de Capinan, que descreve as sensações de uma mulher que se descobre observada e desejada, e música de Roberto Mendes, Olhar Estrangeiro vai compor, ao lado das canções de Vinícius de Moraes, Caetano Veloso e Chico Buarque, o universo deste novo espetáculo de Bethânia, que pretende concentrar sobre sua carreira o mesmo olhar amoroso que colocou sobre o Brasil em seu projeto anterior, Brasileirinho. A trajetória de 40 anos da cantora terá como fio condutor a canção Oração ao Tempo, de Caetano Veloso, de onde o título do show foi tirado. O show também contará com canção inédita de Totonho Villeroy, homenageando Vinícius, feita especialmente para o espetáculo. Tempo Tempo Tempo Tempo estréia sua temporada paulista em 31 de março, do Direct TV Hall. Olhar Estrangeiro de Roberto Mendes e Capinan Quando ele passou o estranho rapaz seu olhar estrangeiro olhou para mim Eu nunca tinha ouvido a fala do amor o frio e o calor Eu logo entendi que quando o rapaz seu olhar estrangeiro olhou para mim Seu olhar estrangeiro falava uma língua que eu logo entendi senti no meu corpo uma coisa tao louca que eu nunca senti Ele olhava minha boca ele olhava meu corpo, ele olhava em meu seio olhava no meio por dentro de mim No princípio o perigo e depois eu olhava eu olhava Não tinha receio desejava, queria, no precipício, crescer minhas asas desvendar o segredo Seu olhar penetrante invadia ofegante o meio de mim Rasgava o meu ventre o meu corpo inteiro me vendo por fora me vendo por dentro do principio ao fim Depois me olhou me olhou me olhou de baixo para cima, em cima , embaixo, dentro de mim me queimando queimando, o céu o inferno, o paraíso é assim Onde passou tão pouco deixou só um rastro de fogo queimando em silêncio. O incêndio do amor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.