AP
AP

'Beethoven japonês' se desculpa por farsa

Mamoru Samuragochi fez sua primeira aparição pública após revelação de que não compôs obras atribuídas a ele

O Estado de S. Paulo

07 de março de 2014 | 10h51

O músico Mamoru Samuragochi, conhecido como “Beethoven japonês” por sua suposta surdez, desculpou-se nesta sexta-feira, 7, em sua primeira aparição pública após a revelação de que ele não foi o autor de muitas das obras atribuídas a ele.

Em coletiva de imprensa em um hotel em Tóquio, Samuragochi pediu desculpas, lendo uma lista que incluía todos os que compraram seus álbuns, ouviram suas músicas, estiveram em seus concertos e até as vítimas do tsunami de 2011, a quem dedicou algumas peças.

“Sinto muito pelos problemas que minha mentira causou”, repetiu em várias ocasiões o músico de 50 anos, que mostrou aos jornalistas um atestado médico sobre sua audição.

Em fevereiro, Samuragochi provocou um grande alvoroço no Japão ao reconhecer que algumas de suas composições, como a bem sucedida Hiroshima Symphony No. 1 ou como trilhas sonoras para jogos de videogame como Resident Evil foram compostas por um outro músico a quem nenhum crédito foi dado.

Dias depois, o professor de música Takashi Niigaki disse que ele, há 18 anos, escreveu as peças que o “Beethoven japonês” apresentou como suas e acrescentou lenha à fogueira, ao afirmar que Samuragochi não era surdo.

Depois de saber da fraude , a distribuidora Nippon Columbia decidiu suspender a venda e distribuição de seus CDs em lojas e na internet, além de cancelar todos os seus concertos.

“Durante esses 18 anos, eu estava sempre com medo que Niigaki revelasse este mistério. O medo aumentou. Quando uma TV fez um programa sobre mim, minha popularidade cresceu mais do que eu esperava e isso me aterrorizou”, disse Samuragochi.

A coletiva, que durou duas horas e meia, levantou uma enorme expectativa no Japão e foi transmitida ao vivo por emissoras do país. “Não sei o que fazer com a minha vida a partir de agora. Talvez eu me aposente”, disse ele em meio aos risos de jornalistas, sem descartar que irá processar Niigaki por “suas mentiras”. Ele insistiu ter problemas auditivos e mostrou exames médicos para provar. O “Beethoven japonês” insiste que, além de surdo, é filho de sobreviventes do bombardeio atômico de Hiroshima, o que reforçou ser totalmente verdade.

O maior sucesso do compositor no Japão foi Hirosihima Symphony No. 1, que em 2011 tinha vendido 147 mil cópias, número considerado alto para a música clássica no mercado japonês. (Com informações da EFE)

Tudo o que sabemos sobre:
Beethoven japonêsMúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.