B.B. King se despede em temporada em São Paulo

A mulher dele, Martha, costumava chamá-lo de "cara delimão velho", por causa das caretas que faz quando toca suaGibson. A primeira vez que tocou no País foi no Teatro Guaíra,em Curitiba, em 1986. Rapidamente, o público brasileiro entendeuque aquele homem que fazia as caretas de limão velho era ummúsico excepcional, cuja guitarra carregava um amálgama musicale histórico único. E essa percepção só foi crescendo a cada anoque ele voltava. B.B. King esteve no antigo Palace, no antigo Olympia, noVelódromo da USP. "Quanto mais velho fico, mais reconheço a majestade doblues. O blues me faz lembrar o Pepticon, o tônico que serviapara tudo. Ele é uma fonte. Fico irritado quando ouço dizer queé depressivo. O fato é que o blues contém todos os sentimentosbásicos do ser humano: sofrimento, felicidade, medo, coragem,confusão, tragédia. Tudo. Sentimentos complexos contados emhistórias simples. Por isso é tão grandioso." Nasceu Riley King em 16 de setembro de 1925, às margensdo Lago Blue. Sua infância foi passada nas plantações de algodão. A bisavó lembrou a ele que o blues também funcionava como umcódigo musical: quando o patrão se aproximava, eles cantavampara avisar, para que as mulheres se escondessem, porque opatrão fazia o que queria. King tem 15 filhos e, confessa, foi um péssimo pai,sempre na estrada. Ao longo desses anos, King vem de longe parafãs, estudantes, presidiários, gente como a gente. Um fã não tãocomum, um ex-financista paulistano (que preferiu não divulgarseu nome), comprou 4 pares de ingressos num leilão para aprimeira fila no show, a R$ 2,3 mil cada um (R$ 18,4 mil nototal). O leilão tem finalidade beneficente. "Não faço questão de ficar tão perto, mas eu me atraseipara comprar o ingresso normal. Quando apareceu o leilão, foiuma vantagem. O cara é uma lenda viva, um desses nomes que vocêvai olhar numa enciclopédia e está lá. É o último dos grandesainda vivo, a oportunidade era única", disse hoje o comprador. B.B. King. Bourbon Street Music Club (350 lug.). Ruados Chanés, 127, 5095-6100. Amanhã, às 22h30. R$ 900 (esgotados) Via Funchal (3.071 lug.). Rua Funchal, 65, tel. 3089-6999. De 6.ª a dom., 21 h. R$ 95 a R$ 480L

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.