B.B. King recebe de George W. Bush o maior prêmio dos EUA

O ídolo do blues B.B. King, 81, que acaba de voltar de uma turnê no Brasil, onde fez sua despedida dos palcos, o ex-dissidente soviético Natan Sharansky e o historiador David McCullough estavam entre os agraciados na sexta-feira com a Medalha da Liberdade, entregue pelo presidente dos Estados Unidos, George W. Bush.Bush elogiou King por ter superado sua infância difícil no sul do país e se transformado em um dos maiores guitarristas e cantores de blues do mundo. King morava sozinho quando tinha 9 anos, e colhia algodão ganhando 35 centavos de dólar por dia, lembrou Bush."Já se disse que, quando perguntaram a John Lennon qual era sua grande ambição, ele disse: ´Tocar guitarra como B.B. King"´, disse Bush. "Muitos músicos tiveram essa mesma meta, mas ninguém jamais conseguiu igualar sua habilidade, ou copiar o som do Rei do Blues."A Medalha da Liberdade é o maior prêmio dos Estados Unidos para civis.Numa cerimônia na Casa Branca, Bush também elogiou Sharansky - dizem que seus escritos sobre a democracia influenciaram o presidente -, chamando-o de uma pessoa que levou uma "vida de coragem e convicção". Sharansky nasceu na Ucrânia, numa família judaica, e foi acusado de traição pelos soviéticos, ficando dez anos preso. Mais tarde, ele emigrou para Israel, onde se tornou uma figura política de projeção por suas opiniões contundentes.O historiador McCullough destaca-se principalmente pelas biografias de Harry Truman e de John Adams, que escreveu. Também receberam a Medalha da Liberdade o ex-secretário dos Transportes Norman Mineta, o jogador de beisebol já morto John "Buck" O´Neil, o colunista William Safire, o cientista e Prêmio Nobel Joshua Lederberg, o historiador britânico Paul Johnson, o presidente da Universidade de Xavier Norman Francis e a ativista pró-alfabetização Ruth Colvin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.