JF Diorio|Estadão
JF Diorio|Estadão

Baterista Mikkey Dee sobre o Motörhead: 'Acabou, é claro'

Morte de Lemmy coloca ponto final na banda formada em 1975

AFP

29 de dezembro de 2015 | 14h13

A morte do líder do emblemático grupo britânico de heavy metal Motörhead, Ian "Lemmy" Kilmister, também significa o fim do grupo, garantiu nesta terça-feira, 29, o baterista da banda, Mikkey Dee, ao jornal sueco Expressen.

"Acabou o Motörhead, é claro. Lemmy era o Motörhead, mas a banda vai continuar viva na memória de muitas pessoas", disse Dee. "Não faremos mais turnês. E não haverá mais discos. Mas a marca sobrevive e Lemmy vive nos corações de todos", acrescentou.

O baterista aplaudiu a coragem de um homem que seguiu cantando e tocando apesar do câncer, doença que foi diagnosticada no sábado, dois dias depois de seu aniversário de 70 anos e dois antes de sua morte.

"Ele estava terrivelmente exausto. Gastava toda a sua energia no palco e estava muito cansado (...) É incrível como conseguia atuar nos shows", disse ele.

Figura emblemática do rock e considerado um dos pioneiros do heavy metal, o cantor britânico morreu em sua casa em Los Angeles (Califórnia) na segunda-feira, 28. A notícia de sua morte provocou uma torrente de reações e homenagens a sua criatividade e longevidade artística.

Tudo o que sabemos sobre:
Lemmy KilmisterMotörheadMúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.