Baterista do AC/DC livra-se de condenação por posse de maconha

O baterista do AC/DC teve sua condenação por posse de maconha anulada em um tribunal na Nova Zelândia, pois a ficha criminal atrapalharia suas viagens internacionais.

REUTERS

01 Abril 2011 | 10h33

Phil Rudd, de 56 anos, apareceu no tribunal do distrito de Tauranga na quinta-feira para tentar anular o registro da condenação pela posse de 27 gramas de maconha em 2010, segundo o Bay of Plenty Times.

O australiano declarou-se culpado das acusações e foi multado em 291 dólares em dezembro após não conseguir ser dispensado sem fiança.

Na audiência de quinta-feira, o advogado de Rudd disse que a condenação restringia a entrada do roqueiro em alguns países, especialmente nos Estados Unidos, no Canadá e no Japão.

O AC/DC, que tem Rudd como baterista desde 1974, fez a segunda maior turnê mundial de 2010, vendendo cerca de 177 milhões de dólares em ingressos. Não se sabe quando a banda de "Highway to Hell" voltará à estrada ou ao estúdio, mas Rudd disse ao tribunal que planeja fazer música "enquanto estiver vivo".

A juíza Alayne Wills disse que o crime de Rudd é de uma escala baixa e ele foi dispensado sem condenação, tendo apenas que pagar 1.100 dólares para cobrir custos do processo.

Fora do tribunal, Rudd disse ao jornal que estava "aliviado".

(Reportagem de Dean Goodman)

Mais conteúdo sobre:
MUSICAACDCRUDD*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.