FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Bandas paulistanas de metal pegam a ponte aérea para abrir o segundo fim de semana do Rock in Rio

John Wayne e Project46 foram as primeiras a subir ao Palco Sunset nesta quinta-feira, 24; veja galeria de imagens

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

24 de setembro de 2015 | 16h11

Com um bom auxílio da sombra que o Palco Sunset jogava sobre o público na Cidade do Rock, na tarde desta quinta-feira, 24, a banda paulistana John Wayne começou o segundo fim de semana do Rock in Rio com seu metal acelerado e alto. Bem alto.

"Nós somos a periferia e estamos aqui representando o metal", disse o vocalista Fábio Figueiredo. 

Com um par de guitarras obsceno e a voz rasgada e imenso carisma do vocal, o quinteto de Perus, zona norte de São Paulo, viu formar na sua frente o sonho de qualquer banda ligada ao rock n roll acelerado: uma roda de pogo, centenas de jovens se jogando uns nos outros.

A roda continuou em seguida, quando o Project46, também da capital paulista, subiu ao palco para mostrar o seu, segundo os próprios, "metal soco na cara".

Já com um séquito particular de fãs metal heads que cantou a letra toda de Erro+55 ("oh, pátria amada, idolatrada, será que seus filhos aprendem a lição?"), a banda levou seu rock pesado de protesto para bem acima do underground com a apresentação no Rock in Rio.

Na saída do show, não foi raro ver um ou outro metaleiro com o nariz sangrando.

PONTO ALTO DO SHOW:  posicionamento crítico compartilhado entre as bandas, que dividiram o palco nas canções finais, foi um ponto alto do show.

PONTO BAIXO: Durante a apresentação do Project46, os agudos das guitarras produziam uma microfonia involuntária que incomodava os ouvidos dos fãs mais próximos ao palco.

CORO: Em mais de um momento, o público entoou um coro de xingamentos a presidente Dilma Rousseff.

 

Mais conteúdo sobre:
Rock in Riomúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.