Bandas iranianas de blues e jazz encontram público em Teerã

Behzad Omrani cresceu em Teerã, em uma casa que reverberava os sons da coleção de discos de seu pai – na maior parte música country e folk norte-americana.

MICHELLE MOGHTADER, REUTERS

13 de novembro de 2014 | 19h02

Anos mais tarde ele formou o Bomrani, uma das primeiras bandas de country e blues da República Islâmica e um dos poucos grupos que começaram a sacudir a cena musical local com apresentações a um mundo de distância dos ritmos iranianos tradicionais.

“Eu gosto muito de Johnny Cash, Muddy Waters, Bob Dylan, John Denver, B.B. King, Gogol Bordello, Eric Clapton e Roger Waters”, contou o músico de 29 anos à Reuters por telefone da capital iraniana.

Seu pai trouxe os discos consigo na volta de uma viagem ao Estado norte-americano do Tennessee. A voz áspera característica de Omrani e sua banda de seis membros levaram essas influências aos palcos de Teerã, um feito considerável em um país no qual alguns costumavam chamar os EUA de “Grande Satã”.

Com cinco músicos, a banda Pallett tem tido sucesso semelhante com suas fusões jazzísticas de clarinete, violoncelo e baixo acústico.

Os estilos das duas bandas são alternativas revigorantes ao pop genérico que irrompe em outras partes do cenário musical iraniano.

Tudo o que sabemos sobre:
MUSICABANDAIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.