Banda Mirim comemora 10 anos de bons musicais

Grupo formado por atores e músicos estreia o oitavo espetáculo

Fernanda Araujo, O Estado de S. Paulo

11 de outubro de 2014 | 03h00

Profissionais sapecas em um encontro felizardo. Assim pode ser definida a Banda Mirim, formada por 14 integrantes, que celebra dez anos de companhia. Para comemorar, a trupe estreia o espetáculo Festa, neste sábado, às 12h, no Sesc Pompeia. No mesmo local, no decorrer do mês, há também debate, oficinas e lançamento de dois CDs, um livro e uma revista. 

A princípio, o grupo planejava fazer um show, com todas as músicas do repertório, mas mudaram de ideia. “Queríamos uma história que falasse de festa, que comemorasse a vida, o encontro e o tempo”, explicou Marcelo Romagnoli, diretor e dramaturgo, sem abrir mão do projeto musical. 

Festa ganhou 13 faixas, entre composições inéditas e músicas de espetáculos anteriores. Apesar de conhecidas, as composições ganharam novos arranjos, como Envelhecer é uma Questão de Tempo e Cada Dia é um Presente, ambas da peça A Criança mais Velha do Mundo, além de Rex, de Sapecado. Entre as novidade há Tatu, música cantada por uma vovó gagá (Lelena Anhaia) que, segurando um penico, faz analogias birutas, em uma toada contagiante.

Na trama, a aniversariante (Claudia Missura) é a única personagem que não envelhece. Ela surge na festa com os olhos vendados e aparelhos nos dentes e celebra a passagem do tempo por meio de uma sequência de aniversários: um ano ela ganha um batom e o primeiro beijo, no outro festeja com o marido, depois com os filhos e vira uma avó moderna, que cansou do Facebook e prefere Instagram. “A melhor idade é estar vivo, independentemente da idade”, explica Romagnoli, que encarou o desafio de criar uma história sem palavras. 

Tata Fernandes, que responde pela direção musical, toca violão em cena e faz o papel de uma convidada que usa um tampão no óculos. Tata é autora da maioria das composições da Banda. 

Oitavo espetáculo da Banda, montagem lembra a poética de Felizardo, primeira produção da turma, que também era para ser um show - e virou musical. Mas também tem o ritmo de Sapecado, montagem na qual os músicos, os atores e os instrumentos encontraram uma harmonia cênica, mesmo diante de tantos elementos. 

Como as montagens anteriores, Marisa Bentivegna assina os cenários e Fabio Namatame os figurinos. 

Festa reúne os integrantes da formação inicial, exceto o cantor Rubi, que permanece no grupo, mas não participa da montagem por uma questão de agenda. A Banda Mirim é uma parte (boa) da vida da maioria dos músicos e atores, que trabalha em outros projeto. 

Além do espetáculo, dias 18 e 25/10 e dia 1º e 8/11, às 15h, o grupo realiza a oficina Vivência Musical e Teatral, grátis, para toda a família. Dia 22/10, às 19h30, haverá um debate sobre música na dramaturgia, lançamento do livro-CD Sete Textos de Teatro para Crianças e Jovens, de Marcelo Romagnoli, revista Banda Mirim - 10 Anos de Música e Teatro para Crianças e os CDs Banda Mirim 10 Anos, nos volumes Primeira Cartilha e Segunda Cartilha. O material foi realizado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Banda Mirimmúsica infantil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.