Elliot Peacock
Elliot Peacock

Baixista Gary Peacock morre nos Estados Unidos aos 85 anos

Causa da morte de um dos mais inventivos músicos de sua geração não foi revelada

O Estado de S.Paulo, O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2020 | 20h56

Um dos grandes baixistas do jazz, Gary Peacock, morreu aos 85 anos. Sua família confirmou a informação a várias publicações internacionais, mas a causa da morte não foi revelada. Peacock, instrumentista importante em formações que acompanharam de Miles Davis a Lee Konitz e nomes do jazz da Costa Oeste dos Estados Unidos, como Art Pepper e Bud Shank, seu mais longevo trabalho se deu ao lado da gig do pianista Keith Jarrett, o Standards Trio, completado pelo baterista JackDeJohnette. Johnette elogiava algo que talvez tenha sido uma marca em seu baixo: a “flutuação do tempo” levado às últimas consequências.

Peacok nasceu em Idaho, em 1935, e, antes do baixo, foi baterista e pianista, uma formação também apontada como central que pode tê-lo feito pensar o tempo de forma tão peculiar. O baixo chegou ás suas mãos quando ele tocava em um conjunto de jazz durante um período em que serviu ao exército na Alemanha. Depois da dispensa, mudou-se para Los Angeles e acabou encontrando seus primeiros trabalhos como instrumentista no final dos anos 1950 até se mudar, no início dos 60, para Nova York. Sua primeira mulher, Annette Peacock, se tornaria uma compositora de vanguarda, e uma de suas primeiras parcerias se deu com o pianista canadense de free jazz Paul Bley. Ainda viriam nos anos 60 Miles Davis, quem acompanhou em shows ao vivo, e a gravação de álbuns importantes como Bill Evans’ Trio 64 e Albert Aylers' Spiritual Unity. O baterista Paul Motian também se tornou um amigo de muitos trabalhos.

Seu primeiro álbum solo foi Eastward, de 1970, foi gravado durante sua fase de dois anos no Japão, com o baterista Hiroshi Murakami e o pianista Masabumi Kikuchi. Sua história ao lado de Jarrett e DeJohnette começou em 1977, quando Peacock chamou o pianista e o baterista para estarem em seu álbum Tales of Another. O trio acabou fazendo também os dois volumes do álbum do Standards Trio, em 1983, e outros discos, como Changes, de 1984, The Cure, de 1990, e Tribute de 1991.

Uma de suas grandes performances pode ser vista no YouTube por quase 1:45 minutos (assista abaixo). Ele está com o Standards Trio para os shows da turnê Prism, gravada ao vivo no Koseiniki Hall, em Tokyo, em 15 de fevereiro de 1985. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
músicaJapão [Ásia]Miles Davis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.