Baixando um Carlinhos Brown

É fácil ser um Tribalista. Escrever letras como as dos Engenheiros do Hawaii, então, é moleza. Pelo menos para a redatora de publicidade Daniela Abade, de 31 anos, criar versos de músicas para esses grupos é praticamente uma brincadeira de criança. Ela acha tão simples que até criou um gerador de letras para estas duas bandas.A criação de Daniela pode ser acessada por usuários da internet no site Mundo Perfeito (www.mundoperfeito.com.br), idealizado e concebido exclusivamente por ela sem patrocinadores ou anunciantes. Para criar uma letra tribalista ou dos Engenheiros basta ao visitante da página acessar o link www.mundoperfeito.com.br/geraletra.htm e preencher um formulário com algumas instruções - do tipo "escreva um verbo besta" ou "escreva um adjetivo feminino que comece com L".Imediatamente, a página mostra os versos recém-criados. Ao lado, por exemplo, está uma letra tribalista criada pela reportagem do JT em parceria com o Mundo Perfeito, intitulada Menos e Mais.Antes de colocar no ar os geradores de letras, o site tinha uma média de 500 visitas por dia. Com a estréia do novo link, na segunda quinzena de dezembro, Daniela viu esse número se multiplicar. "Foi instantâneo. No primeiro dia do gerador de letras tribalistas, o site teve média de 300 visitas por hora" .O sucesso imediato com a gozação aos Tribalistas (formado por Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown) fez Daniela estender a piada aos Engenheiros. "Achei o disco dos Tribalistas muito ruim e não consegui ouvir mais do que quatro músicas. Gosto da Marisa Monte como intérprete e até tenho os três primeiros discos dela. Já com Carlinhos Brown, eu tenho implicância há mais tempo", admite Daniela. "Dos Engenheiros eu realmente não gosto e suas músicas tocam no rádio desde que eu era adolescente. É um trauma."A redatora frisa que Mundo Perfeito veicula suas impressões pessoais sem a pretensão de mudar a opinião de ninguém. "Recebo e-mails de fãs revoltados, que pensam que há uma grande equipe de profissionais bem remunerados por trás da página", explica. "Faço tudo sozinha e pago do meu bolso para mantê-lo no ar. Não quero mudar a opinião de ninguém, assim como não serei convencida de que os Engenheiros são bons por causa do e-mail de um fã."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.