Backstreet fazem show fraco no Maracanã

Os Backstreet Boys são bonitinhos e simpáticos. Só lhes falta dançar, cantar e um show competente. A apresentação desta noite, no Maracanã, para 45 mil pessoas (segundo o chefe do policiamento, coronel PM Calixto) fica a anos-luz de produções brasileiras como Daniela Mercury ou Chitãozinho e Xororó. As fãs do grupo não concordam. Ver seus ídolos no telão é o que importa.Antes do show, há uma canja de duas cantoras, apadrinhadas por eles. Pollyanna desafina em inglês e espanhol, cercada de bailarinos noestilo do É o Tchan! (uma loura e uma mulata). Depois veio Krystal. A moça não só desafinou. Seu piano emitia som mesmo quando ela batiapalmas. Às 21h30 começou o show do B&B. Fogos de artifício e um vídeo de mísseis atacando a terra e eles aparecem de negro, numa coreografiamilitar, ao som de Everyone. Pouco depois, estão de branco, logo mais, a roupa é colorida, mas a coreografia continua canhestra, embora exata.De vez em quando, aparecem bailarinos num show de fim de ano de academias de subúrbio. As 22 músicas se sucedem, em interpretações idênticas ao do disco e as fãs deliram. O som é ensurdecedor e ruim, não dá para diferenciar instrumentos ou vozes. Mas quem quer ouvir música? O cenário é só o telão redondo, dando closes dos meninos. Num intervalo, mostra um vídeo simulando uma ida furtiva no camarim. Eles voltam, mais algumas números e acaba o show, pouco depois das 23 horas, com Shape of my Heart. Ninguém pede bis. É claro: papai e mamãe, que levaram as adolescentes ao show devem estar entediados, com saudade dos Rolling Stones e de Madonna que já passaram por aquele palco.São Paulo - O show que a banda faria no domingo em São Paulo foi cancelado - supostamente por falta de público. E os ingressos para a única apresentação de amanhã, segundo a coordenação do Anhembi, ainda são bem fartos. Eles serão vendidos nas bilheterias do local por R$ 75 e R$ 37,50 (para estudantes com carteirinha da UNE), até o início do espetáculo. Backstreet Boys - sábado, às 20 h (abertura do portão às 16 h), no estacionamento do Anhembi (Av. Olavo Fontoura, 1.209, tel. 6971-5000).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.