Pinkfong
Pinkfong

'Baby Shark' é o vídeo mais assistido do YouTube

'Despacito' perdeu o posto de vídeo mais assistido para o careano 'Baby Shark', que soma mais de 7 bilhões de reproduções

Redação, AFP

02 de novembro de 2020 | 13h28

A grudenta e repetitiva canção infantil Baby Shark se tornou o vídeo mais assistido do YouTube, ao superar sete bilhões de reproduções.

Pesadelo dos pais e professores de todo mundo, a canção produzida na Coreia do Sul passou do âmbito infantil do Youtube e virou uma sensação mundial, com uma melodia cativante e um vídeo hipnótico e colorido.

Baby Shark Dance, a versão em inglês da canção, registrou mais de 7 bilhões de reproduções no YouTube na madrugada desta segunda-feira, 1º, destronando Despacito, da dupla Luis Fonsi e Daddy Yankee, como o vídeo mais assistido da plataforma.

A onipresente canção infantil, disponibilizada pela primeira vez no YouTube em junho de 2016, é um remix de uma canção de acampamento americano da produtora Pinkfong, com sede em Seul.

O sucesso no YouTube abriu o caminho para entrar nas paradas musicais: a canção atingiu a posição 32 na Billboard Hot 100 em janeiro de 2019.

No caminho para a fama, a música também conquistou o coração de muitos adultos. A equipe americana de beisebol Washington Nationals a adotou como hino e venceu a 'World Series' do ano passado, o que levou a Casa Branca a reproduzir a melodia durante as celebrações.

Mas a canção também foi usa da em momentos menos festivos. A cidade americana de West Palm Beach, na Flórida, a usou para desencorajar os sem-teto a permaneceram em uma área pública.

Outro uso foi pedagógico: o serviço de luta contra a pandemia de covid-19 fez uma versão com o coronavírus como tema. Wash Your Hands (Lave suas mãos) ensina às crianças a importância da higiene pessoal.

Duas das quatro canções mais reproduzidas no YouTube nasceram na Coreia do Sul. O hit do rapper Psy Gangnam Style permaneceu no topo do pódio por mais de três anos, mas foi superada por See You Again, de Wiz Khalifa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.