Paulo Aguiar
Paulo Aguiar

Autoramas celebra os 20 anos com 'Libido', um disco 'de garagem’

Após reformulação, banda liderada por Gabriel Thomaz, ícone do rock independente nacional, volta à euforia

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2018 | 06h00

O brasiliense Gabriel Thomaz tinha seus 20 e poucos anos quando sua banda, o Little Quail and The Mad Birds, acabou. Com dois discos, o grupo era admirado no cenário independente que vivia do extremo “faça você mesmo” naquela década de 1990, e até viu sua música Aquela ganhar popularidade nacional ao ser regravada pelos Raimundos.

+++ Quadrinho de Gabriel Thomaz conta as histórias do rock brasileiro dos anos 1990 lançado em fita K7

Sem banda em São Paulo, rumou para o Rio. Vinte anos atrás, formou o Autoramas, banda que mantém hasteada a bandeira do rock alternativo. No primeiro show deles, no Rio, dividiram a programação da casa de shows chamada Empório, em 8 de março de 1998, com Los Hermanos. “Marcelo Camelo era fã do Little Quail”, lembra Thomaz

E embora o músico, hoje de 44 anos, seja bom de papo e é um espécime raro quando o assunto é conhecimento do rock independente desde os anos 1990 (inclusive lançou o quadrinho Magnéticos 90, com ilustrações de Daniel Juca, imperdível para quem quer se iniciar no tema), Thomaz não é sujeito de ficar preso no passado. 

E o Autoramas vive, mais uma vez, uma nova fase. Depois do baque da saída dos antigos integrantes antes de gravar O Futuro dos Autoramas, de 2016, e mudar a formação novamente, o grupo se fixou agora com Thomaz, Érika Martins, Jairo Fajer e Fábio Lima e lança o álbum Libido (selo Hearts Bleed Blue).

Lançado nesta sexta, 20, o trabalho é um álbum de resistência: de Thomaz, em manter a banda em funcionamento; do “faça você mesmo”; do rock de garagem, sujo, como deve ser; e do Autoramas, cujo tempo na estrada não impediu a banda de manter a juventude estética e sonora. 

“Mas meus amigos de escola, quando me encontram, dizem: ‘olha você, o eterno jovenzinho’”, ele diz, e ri. “E digo: ‘pô, cola lá no nosso show’”. E se os colegas “estão todos barrigudos”, como ele brinca, Thomaz vive a intensidade do Autoramas, banda conhecida pelas extensas turnês pelo Brasil e exterior.

O que Libido mostra também é uma banda que usa o tempo em atividade a seu favor. São velozes e enérgicos como sempre, mas técnicos e conscientes disso como nunca. “É interessante manter essa juventude. A gente que tem a referência dos anos 1960, conhece a tal juventude transviada, dos jovens de uma geração pós-guerra, James Dean, corridas de carro”, diz. “Nós (Autoramas) somos transviados pra caramba!” 

Tudo o que sabemos sobre:
músicarockAutoramasGabriel Thomaz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.