Jack Plunkett/Invision/AP
Jack Plunkett/Invision/AP

Autor de sucessos de Elvis Presley, Mac Davis morre aos 78 anos

Uma de suas últimas colaborações foi com o DJ e produtor sueco Avicii, com quem coescreveu a música dance-pop Addicted to you, em 2013

Redação, EFE

01 de outubro de 2020 | 13h39

O cantor, compositor e ator Mac Davis, autor de In The Ghetto e outras músicas que ficaram famosas na voz de Elvis Presley, morreu aos 78 anos, segundo a Associação de Música Country dos Estados Unidos (CMA, na sigla em inglês).

A CMA reproduziu as palavras de seu empresário, Jim Morey, afirmando que Davis estava "gravemente doente" e morreu na terça-feira, 29, após se submeter a uma cirurgia cardíaca na cidade de Nashville, no Tennessee, nos Estados Unidos.

Nascido em Lubbock, Texas, em 21 de janeiro de 1942, Davis compôs outras canções para Elvis Presley, como A Little Less Conversation, Memories e Don't cry, daddy e suas composições também foram gravadas por outros artistas como Kenny Rogers, Dolly Parton, Glen Campbell, Tom Jones e Johnny Cash.

Ele também desenvolveu sua própria carreira e se tornou popular com canções como Baby don't get hooked on me, que lhe rendeu uma indicação ao Grammy em 1972, Stop and smell the roses e Rock n' Roll (I gave you the best years of my life).

Depois desse sucesso, ele saltou para a televisão com seu próprio programa de variedades na NBC, The Mac Davis Show, que durou duas temporadas e Davis continuou a participar de especiais de Natal até 1983.

No total, colocou mais de 30 músicas nas paradas country da Billboard, seis delas no top 10, e também quatro álbuns na parada de álbuns mais populares da tradicional lista.

Como compositor, ele continuou ativo até o século 21. Uma de suas últimas colaborações foi com o DJ e produtor sueco Avicii, com quem coescreveu a música dance-pop Addicted to you, em 2013. 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Mac DavisElvis Presleymúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.