Australianos do Jet roubam a cena do rock

O Rock in Rio Lisboa mostrou sua face mais heróica e imprevisível, na noite de sábado, com o show Get Born, dos australianos do Jet. A milhas de distância da obesidade visual de Peter Gabriel (que fechou a noite, com seu conceito cênico ainda muito ligado aos anos 80) e da aculturação desorientada de Rui Veloso e o show ?eletroacústico? de Gilberto Gil, os garotos do Jet ofereceram o momento mais rock da mostra. Com dois guitarristas vigorosos (o sideman Cameron Muncey tocava uma velha guitarra flying-V), um vocalista desorientado (Nick Cester) e um visual retrô, cheio de botas de caubói, cintos brancos, lencinho vermelho no pescoço e um baterista louco (Chris Cester, irmão do vocalista), o grupo indie engoliu os gigantes do Rock in Rio. Ben Harper, que veio depois, teve de pegar pesado para segurar a onda, mas acabou ficando chatinho no final, depois de um sem-número de canções com a guitarra slide.O Jet, que começou a carreira tocando por umas cervejas, conquistou meio mundo em pouco tempo, mas mantém a fleuma de banda de garagem. Keith Richards, guitarrista dos Stones, os viu tocando um dia e os convidou para abrir shows para os Rolling Stones. É rock da melhor cepa. Depois de 9 meses de produção e cerca de 30 milhões de euros investidos, o Rock in Rio Lisboa pode fracassar nas pretensões de público. Até sábado à noite, o festival conseguiu reunir 102 mil pessoas, o que projetava um público de pouco mais de 300 mil espectadores ao final da jornada, no domingo, dia 6. ?Abaixo dos 300 mil bilhetes já teremos o break-even (prejuízo)?, disse o organizador do festival, Roberto Medina, em entrevista ao diário Semanário Económico, de Lisboa. A previsão inicial era de 600 mil espectadores. A noite deste domingo guarda duas grandes revelações do rock atual: o grupo Evanescence e o quinteto americano Kings of Leon. Gilberto Gil e Rui Veloso, no sábado, abriram oficialmente o evento, logo após os tradicionais três minutos de silêncio feitos pelo público (26 mil pessoas àquela altura, 18 horas). Em Lisboa, todo mundo ficou quietinho, ninguém gritou Mengo no meio da multidão calada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.