Ator de "Goonies" vai testemunhar no caso Jackson

O ator Corey Feldman, que disse em uma entrevista que Michael Jackson mostrou-lhe fotos com pessoas nuas quando ele ainda era adolescente, foi intimado a testemunhar no julgamento do cantor por abuso sexual de menor, disse o agente do ator.Feldman descreveu as fotos em uma nova entrevista com o jornalista Martin Bashir, responsável pelo documentário Living With Michael Jackson. O documentário, exibido na ABC em fevereiro de 2003, tem imagens de Jackson e do menino que o acusa de mãos dadas, além de mostrar o cantor defendendo seu hábito de dividir a cama com crianças.O ator, hoje com 33 anos, disse que foi à casa de Jackson quando tinha 13 ou 14 anos e viu o livro em uma mesa de centro com figuras de homens e mulheres nus. "O livro era centrado em doenças venéreas e genitália. E ele se sentou comigo e explicou essas coisas para mim, mostrou algumas fotos diferentes e falou sobre o que elas significavam", disse Feldman, de acordo com um trecho da entrevista que deve será exibida hoje na ABC, no programa 20/20.Feldman foi contatado na semana passada pelos promotores que querem interrogá-lo sobre seu relacionamento com Jackson, disse o agente de Feldman, Scott Carlson. "Acredito que eles estão intimando todos que podem ter algo a dizer", disse Carlson. Feldman não pôde fazer comentários sobre o caso devido à ordem de silêncio imposta pelo juiz, disse Carlson.O ator, que estrelou sucessos dos anos 1980, como Conta Comigo e The Goonies (neste no papel de Bocão), foi preso por posse de heroína em 1990. Ele está sóbrio há 14 anos e trabalhou recentemente no filme The Birthday .Feldman disse a Bashir que não considerava o episódio das fotos "algo importante", mas que ficou preocupado devido às recentes acusações contra Jackson por abuso sexual.O cantor, de 46 anos, é acusado de abusar sexualmente de um garoto de 13 anos, que sofria de câncer; além de dar-lhe álcool e conspirara para mantê-lo preso em sua casa. A seleção do júri será retomada na segunda-feira.Feldman disse que Jackson nunca o tocou de modo inapropriado e que nunca viu o cantor ser inconveniente com outra pessoa. Ele disse que defendeu o cantor em uma investigação quando Jackson foi acusado de abuso em 1993. "Fiz o que achei correto como um amigo: o defendi. Fiz publicamente e também a portas fechadas, para a polícia", disse Feldman a Bashir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.