Eduardo Munoz/ Reuters
Eduardo Munoz/ Reuters

Astros britânicos se mobilizam para salvar indústria de shows e festivais

Na carta enviada ao ministro da Cultura da Inglaterra, Annie Lennox, Rolling Stones e Paul McCartney falam em 'futuro sombrio' se não houver apoio

Redação, AFP

02 de julho de 2020 | 12h00

De Annie Lennox aos Rolling Stones, passando por Paul McCartney e Depeche Mode, os grandes astros da música britânica fizeram um chamado para salvar a indústria dos shows e dos festivais, ameaçada pela crise do novo coronavírus

Em carta aberta ao ministro britânico da Cultura, Oliver Dowden, 1.500 artistas e personalidades do mundo da música exortam o governo a agir com urgência. Entre os signatários estão Dua Lipa, Skepta, Rita Ora, Coldplay, Eric Clapton, Annie Lennox, Sam Smith, Rod Stewart, Liam Gallagher, Florence + The Machine, George Ezra, Depeche Mode, Iron Maiden, Lewis Capaldi e Little Mix.

Muitos deles deviam se apresentar na temporada dos festivais, cancelada pela pandemia que já deixou cerca de 44 mil mortos no Reino Unido, o balanço mais letal de toda a Europa.

"A cena britânica tem sido um dos maiores sucessos do país do ponto de vista social, cultural e econômico nestes últimos dez anos", destacam os signatários.

Mas sem que se preveja o fim das medidas de distanciamento físico e sem apoio financeiro, "o futuro dos shows e festivais e o futuro de centenas de milhares de pessoas que vivem disso se anuncia sombrio".

"Até que estas empresas possam voltar a trabalhar, o que ocorrerá provavelmente o mais tardar em 2021, o apoio do governo será crucial para impedir quebras em massa e o fim desta indústria de primeiro plano no mundo", acrescentam.

Os signatários pedem uma agenda para a reabertura das salas de concertos com um plano de apoio e o acesso a um dispositivo de crédito, assim como a isenção total do Imposto sobre o Valor Agregado sobre as vendas de entradas para shows.

Segundo um estudo acrescentado à carta aberta, o setor tem 210 mil empregos e suas empresas representaram 4,5 bilhões de libras esterlinas em 2019 (US$ 5,6 bilhões).

A cantora Dua Lipa, "orgulhosa" por ter se apresentado tanto em pequenos locais quanto em grandes palcos, passando por festivais, destacou em um comunicado que a possibilidade para outros artistas britânicos "de seguir o mesmo caminho está em perigo" sem a ajuda dos poderes públicos.

Já Liam Gallagher, "impaciente" por tocar para seus fãs, afirma que é preciso apoiar a indústria dos shows e as pessoas formidáveis que a fazem, "até que possamos voltar a tocar no palco".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.