As baladas da nigeriana Sade

A cantora nigeriana Sade (codinome de Helen Adu) sempre causou duas reações radicais. Os que a detestam, dizem que é demasiado asséptica e afetada. Os que a amam, dizem que é cool e elegante, suave e delicada. Lovers Rock (Sony Music), seu novo disco, tem as qualidades que legitimam os discursos dos dois grupos. No passado, com hits como No Ordinary Love e The Sweetest Taboo, ela ganhou o mundo. Mas o mundo mudou e Sade agora se confunde com o mesmo trip hop que ela preconizou, com as baladas arrastadas e a batida sintética mais forte que nunca. E são agradáveis baladas, como All about Our Love. Mas há breguice também, como Slave Song.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.