Artistas ingleses se unem contra ataque ao Iraque

A classe artística da Inglaterra faz nofim de semana o que pretende ser um dos mais importantesprotestos dos últimos tempos. Robert Del Naja, do Massive Attack, e Damon Albarn, do Blur, servem de porta-vozes para Don´tAttack Iraq - Freedom to Palestine ("Não Ataque o Iraque -Liberdade para a Palestina"), um manifesto que pretende alertaros ingleses contra a invasão do Iraque pelos Estados Unidos. Acausa virou alvo de crítica de Noel e Liam Gallagher esta semana, mas vem ganhando apoio de músicos, cineastas, atores e váriasinstituições no país.A Stop the War Coalition foi formada na Inglaterra logodepois dos atentados terroristas de 11 de setembro, para fazercampanhas contra a guerra, lutar contra o racismo e garantir asliberdades civis. A entidade ganhou o apoio imediato depolíticos e pensadores liberais, além da classe artística. DelNaja e Albarn resolveram ajudar a convocar os músicos epublicaram anúncios no semanário New Musical Express sobre aimportância da causa. O apoio maciço que eles queriam nãoaconteceu tão rapidamente e o músico do Massive Attack chegou areclamar publicamente da apatia da classe artística.Na semana passada, os polêmicos irmãos Gallagher resolveramesquentar ainda mais a questão. "Não entendo esses pop starsquerendo ter uma discussão democrática sobre a guerra", disseNoel ao NME. "Nossa opinião não vale nada, apenas aspessoas na Casa Branca é que podem mudar alguma coisa, eu souapenas um guitarrista." Liam completou dizendo que "ninguémvai ouvir a um idiota do Blur". "Ninguém nem presta atenção noBono", disse ele, em referência aos esforços humanitários dolíder do U2.Del Naja e Albarn responderam à entrevista educadamente. "Aidéia é que você, como um indivíduo, diga alguma coisa e pessoasque concordam com isso acabem se juntando", disse Del Naja. "É assim que se formam os partidos políticose qualquer outro protesto. E sugerir que músicos não devem terum ponto-de-vista é absolutamente ridículo."Albarn completou dizendo que eles têm obrigação, "comocidadãos", de expressar suas opiniões. "Se eu não tivesse umahistória tão desprezível com Noel Gallagher, eu falaria o queachei sobre a opinião dele", disse ele. "Mas entrar emdetalhes nesse caso tiraria a atenção do que realmente estamostentando fazer." Os dois músicos têm desentendimentos públicos por conta da rixa entre o Oasis e o Blur desde ametade dos anos 90.Polêmicas à parte, o manifesto está marcado para sábado emLondres. Já garantiram apoio as atrizes SaffronBurrows e Julia Sawalla, os escritor Noam Chomsky e Will Self, omúsico Brian Eno, o cineasta Ken Loach e vários políticos. Entreas organizações que estão unindo forças para protestar contra aguerra estão a Associação Muçulmana da Inglaterra e a entidadepacificista CND. Juntos, eles alegam que o apoio da Inglaterraao ataque militar é "infundado". "Não passa de um pretextopara um assassinato em massa", diz um dos textos publicados noweb site oficial da Stop the War (no endereçowww.stopthewar.org.uk).O evento do fim de semana pretende ser o maior protestoantiguerra da Europa dos últimos tempos. Para isso, estão sendoorganizadas caravanas vindas de várias regiões do país. A marchavai atravessar a cidade e terminar no Hyde Park, com discursose shows. Este deve ser o primeiro de umasérie de manisfestos que a entidade pretende realizar nospróximos meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.