Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Artistas e personalidades lamentam a morte de Nelson Sargento

O sambista morreu vítima de complicações da covid-19, nesta quinta-feira, 27; Zeca Pagodinho, Neguinho da Beija Flor e outros artistas prestaram homenagem

Bárbara Correa*, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2021 | 14h05


Artistas, personalidades do samba e políticos lamentaram a morte de Nelson Sargento nesta quinta-feira, 27. O sambista morreu aos 96 anos, no Instituto Nacional de Câncer (Inca), onde estava internado com covid-19 desde o último dia 20.

Ele tratava de um câncer desde 2005, quando foi descoberto um tumor na próstata. Nelson já tinha tomado as duas doses da vacina contra o coronavírus, a última em 26 de fevereiro.

  • Zeca Pagodinho compartilhou um vídeo no Instagram e afirmou que o sambista contribui muito para a música brasileira. "O samba está de luto, pois acaba de perder um de seus maiores baluartes (...) Seu legado, tal qual o próprio samba, não morrerá", afirmou.

 

 

  • Neguinho da Beija Flor publicou uma foto ao lado de Sargento e escreveu: "O samba perde mais um grande nome. Eu perco um amigo, de quem era um grande admirador. Compositor de primeira, pessoa de caráter e um grande artista plástico (...) Siga o seu caminho de luz, Nelson Sargento!". 

 

 

  • Marcelo D2 lembrou de quando teve a oportunidade de dividir o palco com Nelson, a quem chamou de "arquiteto da música brasileira". "A gente só morre quando nosso samba morrer", declarou.

 

 

  • Diogo Nogueira também deixou uma mensagem de afeto. "Você é daqueles que não podiam morrer nunca. Você me quebrou indo embora. Mas está tudo guardado aqui dentro, cada momento, cada minuto e cada aprendizado. Prometo continuar lutando pelo nosso samba, obrigado por tudo que fez por ele", escreveu.

 

 

  • Dudu Nobre também agradeceu a contribuição de Nelson Sargento na música. "A essência do que é ser sambista, a resistência do que é ser sambista, a referência para todo sambista. Muito obrigado por tudo Grande Mestre. Descanse em paz", disse.

 

 

  • O ex-presidente Lula classificou o sambista como símbolo da Estação Primeira de Mangueira, escola da qual fazia parte em vida. "Mais uma vítima dessa tragédia que poderia ter sido evitada. Foi um prazer conviver com ele", lamentou.

 

 

  • Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro, lembrou que o artista morreu justamente no ano em que não houve Carnaval no Brasil. "Queríamos nós que Seu Nelson fosse imortal como o samba que ele tanto amava. Mas ninguém é", afirmou.

 

 

  • Vasco da Gama, time de Nelson, desejou força aos amigos e familiares do sambista, em publicação no Twitter. 

 



*Estagiária sob supervisão de Charlise Morais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.