Artistas, colegas e autoridades lamentam a morte de Inezita Barroso

Artista morreu neste domingo, 8, aos 90 anos, em São Paulo

O Estado de S. Paulo

09 Março 2015 | 10h59

Desde a noite deste domingo, 8, a morte da cantora Inezita Barroso é um dos assuntos mais comentados nas redes sociais no Brasil. A artista estava internada no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, e morreu de insuficiência respiratória, aos 90 anos.

Colegas cantores, amigos e autoridades lamentaram o fato e celebraram a carreira da cantora e apresentadora do programa Viola Minha Viola, há mais de 30 anos no ar na TV Cultura.

Leia:

Cantor Daniel

 


Agnaldo Timoteo

 


Jornalista Leda Nagle:

 


Apresentador Rafael Cortez:

 

Eh muito triste perder a Inezita Barroso. Ela foi uma cantora formidável, de enorme e inacreditável contribuição no resgate e manutenção da música (boa) de raiz de um Brasil há muito tempo corrompido por modismos e patifarias "melódicas". Com seu programa na TV Cultura "Viola, minha Viola", no ar desde 1980 (o mais antigo programa de música da TV brasileira no ar), Inezita ofereceu mais do que bons papos e boas rodas de viola com os melhores artistas do gênero: ofereceu ao nosso país todo um verdadeiro espaço de resistência cultural. No programa da Inezita, o Brasil encontrava o Brasil de verdade. Eh uma perda irreparável. Mas seus mais de 80 discos de pouco mais de 60 anos de carreira, e os mais de 1500 "Viola, minha Viola" que ela gravou, seguem como registro de sua generosidade e talento. De fato, o que fica de um artista sempre eh a sua obra. Vamos nos debruçar sobre mais esta!

Uma foto publicada por Rafael Cortez (@rafaelcortez) em


Vanessa da Mata:

 


Cantor Solimões:

 


Geraldo Alckmin, governador de São Paulo:

"Durante 35 anos, as manhãs de domingo no interior de São Paulo e do Brasil tiveram a sonoridade de Inezita Barroso no comando do "Viola, Minha Viola", o mais antigo programa musical da televisão brasileira. Neste domingo à noite, com muita tristeza, nos despedimos dela. Paulistana da Barra Funda, Inezita foi compositora, cantora, atriz, violeira, pesquisadora, professora e doutora honoris causa de folclore e da música caipira. Há dois anos, tive a honra de estar com ela, no palco do "Viola", para a emocionante festa musical em que o país inteiro comemorou seu aniversário de 88 anos e sua grande obra. Naquele dia, ela explicou o segredo de sua vida longa e feliz: amava a música caipira, gostava do que fazia e de fazer bem feito. Ao recuperar o nosso folclore, Inezita Barroso preservou um ativo inestimável, um tesouro que faz de nós, brasileiros, uma nação: nossas raízes. A partir de agora, São Paulo e o Brasil retribuirão esse legado de amor com imensa saudade."

Silvio Santos (em nota divulgada pelo SBT):

"A perda da autêntica rainha da música sertaneja é imensurável para o cenário da televisão e da cultura popular brasileira. Lamentamos e deixamos nossos sentimentos aos familiares, amigos e fãs de Inezita."

Mais conteúdo sobre:
Inezita Barroso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.