Wilton Junior / Estadão
Wilton Junior / Estadão

Arthur Verocai mostra no palco o desafiador 'No Voo do Urubu'

Compositor e arranjador, rara ponte entre mundos distintos na música brasileira, faz shows hoje e amanhã, no Sesc Pinheiros, para mostrar seu novo repertório; Mano Brown, Criolo e Lu Oliveira são convidados especiais

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

16 Dezembro 2016 | 05h00

Arthur Verocai faz hoje e amanhã, no Sesc Pinheiros, as apresentações de lançamento de seu novo disco, No Voo do Urubu. É seu primeiro de estúdio nos últimos oito anos e o que dialoga com muitas frentes na música pop. O álbum conta com participações de Seu Jorge, Danilo Caymmi, Lu Oliveira, Vinícius Cantuária, Mano Brown e Criolo, um espectro revelador da abrangência de linguagem de Verocai. Mas as duas apresentações, por motivos de agenda, terão apenas três integrantes desse time no palco. Lu canta Minha Terra tem Palmeiras (de Verocai e Paulinho Tapajós), Criolo mostra O Tambor (parceria do rapper com Verocai) e Mano Brown chega com Cigana (composição de letra e música de Brown, com arranjo de Verocai).

A formação de grupo para o palco é um deleite raro. Verocai vai levar, além de banda de baixo, guitarra e bateria, cordas e sopros de um coletivo orquestral que marca seu trabalho desde o indecifrável (para a época) disco de estreia de 1972. O pesquisador Ruy Castro define bem essa particularidade do uso de orquestra “real” em um texto de apresentação do álbum. “Verocai é generoso. Numa música popular tão carente, por exemplo, de cordas e metais como a nossa, ele nos serve fartas porções de ambos.”

Mais do que a crise que tem reduzido formatos e elevado o número de apresentações à base da voz e do violão, os arranjos ‘gordos’ de Verocai soam por fora da onda de concepções secas e contidas que ditam as regras na música brasileira. “As pessoas querem vender. Ninguém parece muito preocupado em sonhar, pensar nos acordes, nas harmonias, nos timbres. O Sesc (seu disco foi lançado pelo Selo Sesc) me deu esse respaldo, essa carta branca para eu fazer como queria.”

Verocai nasceu no meio dos timbres. Sua música entorpeceu os norte-americanos que o valorizaram antes mesmo dos brasileiros pela riqueza de cores e de caminhos que apresenta, muitas vezes, de forma sobreposta. Agora, será que ele substituiria seus músicos por programas de computador usados por muitos compositores com precisão e talento? “Se não tiver dinheiro, posso usar. Mas nada vai soar como o pessoal de primeira que eu escolho para tocar as cordas da orquestra, os backings, os trompetes. Imagine que eu tenho Jessé Sadoc (trompete), o José Arimatéa (sax alto), o Eduardo Neves (coro). O pessoal das cordas é primeiro time também. Não tem computador que substitua com a mesma qualidade.”

Sobre a impossibilidade de rodar com sua grande formação pelo Brasil para lançar No Voo do Urubu, ele diz: “A crise só enfraquece a minha música. É muito mais difícil sair com esse disco para fazer shows nesse momento, mas o que importa é o resultado que conseguimos atingir”. Verocai, que teve sua redescoberta por meio de samplers de introduções e trechos de suas criações feitos por DJs, transita em dois mundos muitas vezes excludentes entre si, o orquestral e o pop. E, sem amarras, eleva a criação a patamares mais altos. Sobre ser “o homem à frente de seu tempo”, frase que ouviu em 1972, ele apenas diz: “Não fui eu quem inventou isso.”

As três faces de uma mesma moeda mostradas sem ruptura

Ao ter Criolo e Mano Brown no mesmo disco, Verocai anula um separatismo que os fãs do rap criaram e une, quando coloca também Seu Jorge, três faces de uma mesma moeda. Criolo canta O Tambor, um samba-rock cheio de metais e convites para a pista. Ele enfrenta uma tonalidade bem baixa que quase o derruba nas maiores descidas. Seu ritmo é de festa mas seu discurso é da indignação. “O meu canto é um sopro de um soco em vão / E também da carne que o homem comeu / E de todo o sangue que se esqueceu / Onde isso vai dar.”

Brown traz seu charm Cigana, para a qual ele mesmo fez letra e música. “Eu só aparei as arestas”, diz Verocai. A música mostra outro Brown, um rapper que canta pela primeira vez. E ele aparece cantando mesmo, em tom alto e cheio de melodias, mais do que em seu recente disco solo, Boogie Naipe. O rap ainda não revelou vozes de fôlego, mas há mais potencial como cantor em Mano Brown do que no próprio Criolo ou em Emicida. Seu Jorge, que não canalizou para seu discurso uma indignação que poderia ter sido cultivada em sua origem, canta com mais leveza e força de graves a faixa-título, No Voo do Urubu.

ARTHUR VEROCAI

Lançamento do disco 'No Voo do Urubu'. Sesc Pinheiros. R. Paes Leme, 195, tel.: 3095-9400. Hoje (16) e amanhã (17), 21h. R$ 50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.