Natacha Pisarenko/AP
Natacha Pisarenko/AP

Argentinos deliram com segundo show de U2

Bono agradece estar em Buenos Aires, na verdade estava em La Plata, canta 'Gracias a la vida' e deixa plateia em frenesi

Ariel Palacios,

03 Abril 2011 | 02h21

BUENOS AIRES - "U2 no se va…U2 no se va!" (U2 não vai embora, U2 não vai embora!). Este foi o cântico entoado diversas vezes na noite deste sábado, 2, pelo público que acotovelava-se no estádio de La Plata, cenário onde o U2, dentro do tour "360°" protagonizou seu segundo show da semana na Argentina. Bono, líder do grupo, agradeceu diversas vezes pelo frenesi dos argentinos e sugeriu que não tinha vontade de ir embora do país.

 

A resposta das 60 mil pessoas presentes foi de um "hurra" generalizado. Ao longo de duas horas e meia de show, em várias ocasiões, Bono agradeceu o entusiasmo do público e disse que estava feliz de estar em Buenos Aires. A gafe (na realidade Bono estava na cidade de La Plata, a 57 quilômetros de Buenos Aires) foi carinhosamente ignorada pelo público que estava ansioso pelas canções do grupo irlandês.

 

O prelúdio do show foi realizado pela banda inglesa Muse, que - sob o comando de Matthew Bellamy - começou a preparar o clima para o U2. Mas, antes de iniciar o show liderado por Bono o público ouviu pelos alto-falantes do estádio a canção Música ligeira, do roqueiro argentino Gustavo Cerati, que está em coma por um AVC desde o ano passado. A plateia reagiu com um estrondoso aplauso em agradecimento ao U2 pela homenagem ao músico argentino.

 

Na sequência o público foi surpreendido com os acordes da sexta sinfonia de Ludwig van Beethoven. Após a bicentenária melodia do compositor alemão houve uma pausa. Na sequência, sob os urros da plateia, entraram no palco Bono, o guitarrista (e também cantor) The Edge, o baixista Adam Clayton e o percussionista Larry Mullen.

O grupo entoou um dos clássicos do U2, a canção Ever better than the real thing, marcada pela guitarra de The Edge. O público celebrou o início da apresentação com uma ovação que fez o estádio tremer. Na sequência, o grupo arrancou aplausos com New Year's Day.

 

Ao longo do show Bono exibiu seu carisma e não hesitou em balbuciar algumas palavras em espanhol ao convidar uma garota da plateia para ler a letra de Gracias a la vida. A canção, da poetisa e cantora chilena Violeta Parra (1917-1967), tornou-se mundialmente famosa na voz da cantora argentina Mercedes Sosa (1935-2009). Apesar dos erros de pronúncia do irlandês - e de algumas falhas na letra - os fãs celebraram a interpretação pitoresca de Bono sobre esta música sul-americana.

 

Bono também fez piadinhas com o público, explicando que Mullen, "quando dança, estamos em problemas". Sobre Clayton, explicou que bebeu muito chimarrão em Buenos Aires e que teve a companhia de belas argentinas. "A companhia de umas 'bombons' (gíria para designar mulheres bonitas) argentinas!". Sobre seu guitarrista, fez mistério: "ah, e The Edge... ah...".

 

ELOGIOS E CRÍTICAS - La Plata, a pacata capital da província de Buenos Aires, será agitada pelos shows do U2 até este domingo, 3, à noite, quando será realizada a derradeira apresentação.

 

Este é o terceiro tour que a banda irlandesa realiza na Argentina. Os dois shows em anos anteriores foram o PopMart e o Vertigo Tour, ambas realizadas no estádio do River Plate, na cidade de Buenos Aires. Segundo os críticos, com o "360°" Bono e seus colegas superaram suas próprias apresentações prévias no país. "Excelente" foi o adjetivo aplicado de forma geral pelos especialistas para este novo tour.

 

As únicas críticas foram direcionadas às dimensões do estádio de La Plata, com capacidade para apenas 60 mil pessoas. Ali dentro, a imensa grua em formato de aranha usada pelo U2 como cenário principal, não conseguia exibir sua monumentalidade tal como poderá ocorrer nos shows no Brasil.

 

PÚBLICO - Cecilia García, estudante de veterinária de 20 anos, pulava sem parar enquanto o U2 cantava. Nas poucas pausas, secando o suor, conversou com o Estado. "Toda minha família é fã de Bono. Eu fiz questão de assistir o show da quarta-feira e também este. E já estou na expectativa de uma nova visita deles a meu país", exclamou enquanto preparava sua máquina fotográfica para enfocar o líder da banda.

Ramiro Velazco ouviu o show do lado de fora do estádio, na avenida número 25 de La Plata. "Não consegui entrada nem com cambista. Mas, pelo menos deu para ouvir bem do lado de fora", disse ao Estado.

 

"Bono e o U2 são legais... mas minha praia é o Rod Stewart", expressou ao Estado Alfredo Canevalli, ex-professor de primeiro grau falido que na porta do estádio vendia camisetas do U2. "Mas, admito que o U2 vende mais camiseta que meu ídolo", comenta com ironia enquanto recebe 25 pesos de um cliente que acaba de deixar o estádio.

 

Mais de 500 policiais foram destinados para a segurança do show e dos arredores do estádio de La Plata.

Mais conteúdo sobre:
U2, Argentina, La Plata

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.