Reuters
Reuters

Após críticas, Spotify terá avisos em podcasts sobre a Covid-19

Plataforma de streaming foi alvo de boicote de Neil Young acusada de corroborar com desinformação quanto à pandemia, em especial pela presença de Joe Rogan em seu catálogo

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2022 | 19h06

 O Spotify disponibilizará links em todos os podcasts que mencionem a Covid-19, com a intenção de levar seus usuários a informações cientificamente confiáveis, anunciou seu fundador e CEO, Daniel Ek, em um comunicado divulgado neste domingo, 30.

O posicionamento, porém, não faz menção direta à polêmica envolvendo Joe Rogan e músicos, como Neil Young, que têm retirado suas músicas da plataforma em boicote (clique aqui para entender). Vale lembrar que outras plataformas, como o YouTube, o Instagram e o Twitter já contam com mecanismo semelhante há bastante tempo. 

"Em nosso âmago, acreditamos que ouvir é tudo. Pegue quase qualquer tema e você vai encontrar pessoas com opiniões em cada um de seus lados. Pessoalmente, há diversos indivíduos e visões no Spotify com as quais eu discordo com força. Nós sabemos que temos um papel crítico em apoiar a liberdade de expressão de um criador enquanto balanceamos isso com a segurança de nossos usuários. Neste papel, é importante para mim que não tomemos a posição de sermos censores de conteúdo, enquanto também garantamos que hajam regras em vigor e consequências para quem for violá-las", escreveu Ek. 

Na sequência, anunciou a publicação de regras de longa data da plataforma, que teriam sido elaboradas pela equipe do Spotify com "especialistas externos" e atualizadas regularmente, disponibilizadas em seu site.

"Nós estamos trabalhando para acrescentar um aviso de conteúdo para qualquer episódio de podcast que inclua uma discussão sobre Covid-19. Esse aviso direcionará os ouvintes ao nosso hub dedicado à Covid-19, uma fonte que providencia acesso fácil a fatos embasados em dados, informações atualizadas conforme compartilhadas por cientistas, médicos, acadêmicos e autoridades públicas de saúde ao redor do mundo, assim como links para fontes confiáveis", prossegue.

"Esse novo esforço para combater desinformação vai se espalhar para outros países ao redor do mundo nos próximos dias. Em nosso conhecimento, esse aviso de conteúdo é o primeiro do tipo em uma grande plataforma de podcasts", conclui. O comunicado ainda cita  algumas doações e iniciativas da empresa em relação à Covid-19 para dar uma "noção do quão sério nós abordamos a pandemia como empresa".

A íntegra do comunicado está disponível no site do Spotify.

Entenda a polêmica envolvendo o Spotify

Em janeiro de 2022, um grupo de centenas de cientistas publicou uma carta aberta ao Spotify criticando a presença de podcasts contendo desinformação sobre a Covid-19 na plataforma. O principal alvo das críticas foi Joe Rogan, do The Joe Rogan Experience, que já fez comentários questionando a gravidade da doença e já recebeu convidados questionando a efetividade de vacinas. 

O cantor Neil Young, então, publicou um comunicado dando um 'ultimato' ao serviço de streaming: ou o podcast seria retirado do ar, ou o músico tiraria suas músicas da plataforma, o que aconteceu nos dias seguintes. Apesar de pouca adesão entre grandes músicos, artistas como Joni Mitchell e Nils Lofgren também seguiram Young em seu boicote.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Joe RoganNeil YoungSpotify

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.