Annie Lennox lança em outubro um álbum de standards americanos

Vocal do Eurythmics diz que escrever é um processo triste

Pedro Caiado - ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S. Paulo

23 Setembro 2014 | 20h00

LONDRES - Ela influenciou uma geração como parte da banda Eurythmics nos anos 1980. Seu visual andrógino e seus videoclipes ajudaram a construir a cultura pop como a conhecemos. Hoje, aos 59 anos e mãe de duas filhas, Annie Lennox pode não ser prolífica como na década de 1980 ou durante sua fase solo nos anos 1990, mas sua influência perdura no cenário musical. 

A escocesa retorna com um álbum de standards norte-americanos. “Eu queria ser relevante nos dias de hoje”, disse em entrevista em Londres, durante a apresentação do novo álbum. Nostalgia, o sexto disco solo de Lennox, traz 12 versões de clássicos americanos dos anos 1930 e 1940. Summertime, I Put A Spell On You, Georgia On My Mind, September in the Rain e You Belong To Me são alguns deles.

Simpática com a imprensa, ela explicou os motivos de realizar um álbum de versões. “Não gosto de repetir o que já fiz. Eu tenho quase 60 anos (que ela completa em 25 de dezembro) e se não fizesse isso agora, senti que nunca mais faria.” 

Lennox fala rápido e chega a se perder entre seus pensamentos. “O desafio era dar nova vida a essas músicas e trazê-las de volta”, enfatizou. “Algumas canções, como Summertime, a princípio eu não queria gravar. Mas depois mudei de ideia e dei um toque melancólico a ela”, explicou. “Da mesma maneira que Sweet Dreams (Are Made of This) nunca foi uma canção feliz, e sim melancólica.” 

Sobre o processo de criar novas composições, ela afirma com alívio: “Parei de escrever porque eu sou feliz. Eu sou feliz porque alguém me fez feliz”, confessa, se referindo ao seu terceiro e atual marido, o médico americano Mitch Besser, com quem se casou em 2012. “Escrever é um processo triste e não quero viver assim 24 horas por dia. Prefiro não fazer sucesso e ser feliz, a ser rica porém triste”, filosofa ela.

O Estado ouviu o novo álbum em primeira mão. A voz de Lennox mostra leveza e muitas vezes acrescenta um tom de desalento, evidente em canções como em Georgia on My Mind (longe da versão eternizada por Ray Charles). Ela explica que a ideia veio após a experiência de cantar com a banda de Herbie Hancock. “Percebi que havia um elemento na minha voz que eu ainda não havia explorado”, confessou. “Procurei no YouTube por esses clássicos americanos. Não foi nada complicado. É incrível, pois a internet é o arquivo mais fantástico disponível. Uma viagem no tempo”, recorda ela com entusiasmo. Mas pondera. “Por mais que adore a rapidez da comunicação da internet, às vezes fico exausta. Parte de mim é nostálgica e pede uma vida mais sossegada.”

Ao falar de sua longa carreira, Annie Lennox mostra ser extremamente humilde. “Esqueço minha longa história na música. Eu não escuto as minhas canções. Esqueço o que eu fiz, pois quero que tudo soe como novo”, diz, acrescentando que gravou Nostalgia porque ama cantar obras de outros compositores. 

“Venho do noroeste da Escócia, onde costumava frequentar os salões de dança. Eu dançava Motown. Não importa sua cor ou crença e essa é a linguagem da música. Toca a todos”, afirmou. “Eu choro à toa ouvindo música, das maneiras mais inesperadas. Outro dia, chorei enquanto assistia ao Rei Leão com a minha filha.”

Lennox aproveitou para criticar a atual obsessão com o mundo das celebridades. “Quando meu nome é colocado sob a categoria de celebridade, fico louca. Sou uma artista e comunicadora. Nós vivemos em uma cultura fixada em celebridades e elas se tornaram sinônimo de realidade. Nós as seguimos, mas o que exatamente estamos seguindo?”, questionou ela.

Lennox não grava um novo álbum há quatro anos - seu último foi A Christmas Cornucopia, em 2010, disco natalino com versões. E ela admite ter dúvidas em relação a lançar outro trabalho no futuro. “Sempre que fazia um novo álbum com Dave Stewart (Eurythmics), eu dizia que seria o último. Mas sempre retorno”, comenta ainda, bem-humorada .

Nostalgia está previsto para ser lançado em 21 de outubro.

Mais conteúdo sobre:
Annie Lennox Eurythmic

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.