Anima lança "Especiarias"

Após alcançar sucesso com seu primeiro disco, Espiral do Tempo, de 1997, tendo recebido o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA) como melhor conjunto de câmara e o Prêmio Movimento de Música Brasileira Popular pelo melhor CD instrumental de 97, o Grupo Anima lança nessa quarta e quinta-feira, no Teatro Alfa, seu mais novo trabalho: Especiarias.O disco, que tem 16 faixas assinadas, em grande parte pelos próprios músicos que compõem o grupo, coroa um trabalho que vem sendo desenvolvido desde 1993. "Tivemos sempre em mente o objetivo de trabalhar com a tradição oral e com a música de povos afastados do processo de industrialização", indica a flautista do grupo, Valeria Bittar. Dessa forma, a aproximação com a música medieval parece evidente. "Em nossas pesquisas, a semelhança com a linguagem medieval mostrou-se muito grande, em especial devido à transmissão oral".Em Especiarias, o grupo, formado também por Isa Taube (voz), João Carlos Dalgalarrondo (percussão), Luiz Henrique Fiaminghi (rabecas artesanais), Patrícia Gatti (cravo) e Paulo Freire (viola caipira), explora a combinação entre a tradição oral brasileira e as tradições ibérica e sefardita. "Nossa linguagem navega entre o erudito e o popular e é uma verdadeira alegoria da música brasileira".Amadurecimento - Uma da principais características do Anima é o trabalho em conjunto. O grupo não tem diretor e procura representar em suas composições o resultado do trabalho dos seis músicos. "Nosso período de gestação de um arranjo é bastante longo: já é difícil para um só fazer, imagine para seis". O resultado, no entanto, é coeso e integrado. "É fácil perceber, ao ouvir nosso trabalho, que as seis personalidades estão muito bem colocadas e dispostas na música, nosso principal objetivo".Só o tempo, no entanto, é capaz de promover essa integração. Em relação ao primeiro trabalho, Especiarias mostra um grupo mais coeso e experiente, na opinião de Valéria. "Fazer música de câmara exige uma convivência diária dos músicos e só o tempo é capaz de melhorar a sonoridade".Outra diferença é a ausência do José Eduardo Gramani, mentor do grupo e de sua concepção de trabalho, que morreu há 2 anos. "Foi pouco depois do lançamento de Espirais do Tempo e esse novo trabalho é dedicado a ele, pois a obra encarnada as suas intenções e os seus objetivos".O público presente no Alfa terá acesso ao que Valéria chama de "um pequeno desenho cênico, olfativo e gastronômico". Explica-se: "Já na entrada as pessoas vão entrar em contato com odores e ervas que têm o objetivo de preparar os sentidos para a apresentação, que é uma verdadeira comemoração".E o Anima tem razões de sobra para comemorar. Tudo aquilo que foi esboçado no primeiro CD aparece em "Especiarias", segundo Valéria, "de uma maneira bem positiva".Grupo Anima. Quarta e quinta, às 21 horas. R$ 20. Teatro Alfa - Sala B. Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel. (0--11)5693-4000

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.