Reprodução
Reprodução

Angela Ro Ro interrompe apresentação e é acusada de homofobia e racismo no Ceará

Artista fazia o show de abertura do festival de cinema For Rainbow, dedicado a diversidade sexual, quando usou as palavras ofensivas 

O Estado de S.Paulo, O Estado de S. Paulo

02 Outubro 2015 | 16h14

A cantora Angela Ro Ro interrompeu sua apresentação na abertura do 9ª For Rainbow, festival de cinema voltado para a diversidade sexual, realizado em Fortaleza, na noite desta quinta-feira, 1. Angela teria batido boca com o público e com produtores do evento, usando palavras como "viadinhos", "bichinhas" e "caboclinho".

O relato foi feito pela advogada e ativista Luanna Marley, no Facebook. Em post sob o título "O show de racismo de Angela Ro Ro", a advogada conta que subiu ao palco para intervir. "A tal 'cantora' antes e durante o seu show, chamou a platéia cearense de bandidinhos, chutava pessoas que estavam próximas ao palco, chamou um rapaz de viadinho e por fim jogou água GRATUITAMENTE no técnico de som agredindo-o e chamando-o de 'caboclinho' (vale ressaltar que o rapaz era negro). Como se não bastasse, chegou a dizer: 'isso é que dá distribuir ingressos de graça' (...) 'isso é perigoso', escreve a advogada. Clique aqui para ler o post completo.

Em seu próprio perfil pessoal (que foi retirado do ar), Angela Ro Ro lamentou o ocorrido. "Sinto muito mas tenho que transmitir a vocês a decepção para meu Maestro, eu e grande parte da plateia do Festival For Rainbow em Fortaleza quando fui diversas vezes agredida por alguns homens bêbados e o For Rainbow não havia providenciado nenhuma segurança! O que é descumprimento do contrato e total falta de competência para produzir um evento! Volto para o Rio com a tristeza de meu querido Ceará e minha linda Fortaleza ter sido o cenário desta agressão sofrida enquanto eu trabalhava cantando para a alegria das pessoas!! Até um rapaz da técnica de som me agrediu! Esta foi a 9 edição do For Rainbow... e espero junto aos meus advogados que seja a última", escreveu, sugerindo que vai tomar ações judiciais contra a produção.

Em outro post, também apagado, Ro Ro escreve que não entende "como travestis que reivindicam direitos humanos praticam atos agressivos contra uma mulher... justo o que eles dizem querer ser ou aparentar (...) não levem a mal!! é bom ser Carioca e Mulher Original de Fábrica" - numa referência irônica ao número de travestis e transexuais presentes no festival, dedicado a diversidade sexual.

Relatos dão conta de que a cantora não estava confortável desde o início da apresentação, e pediu para que as pessoas não se encostassem no palco. Um homem teria feito isso e então agredido fisicamente pela artista, e revidado. Um problema semelhante teria acontecido com um produtor do evento.

A produtora de Angela Ro Ro, Lana Braga, não quis se alongar sobre o assunto, mas disse que a artista estava muito decepcionada com o evento. Os pedidos de entrevista do Estado não foram respondidos até as 15h45 desta sexta-feira, 2.

O For Rainbow também emitiu uma nota sobre o ocorrido, pedindo "sinceras desculpas sobre o espetáculo lamentável que aconteceu": "Repudiamos com veemência todas as declarações ditas ao público pela cantora Angela Ro Ro. O For Rainbow é um festival feito por gays, lésbicas, travestis, transexuais e heterossexuais. Por negras e negros, por brancos e brancas, por brasileiros e brasileiras, estrangeiros e estrangeiras".

 

Mais conteúdo sobre:
música Angela Roro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.