Flavio Lo Scalzo/ Reuters
Flavio Lo Scalzo/ Reuters

Andrea Bocelli pede desculpas por declarações sobre a pandemia de coronavírus

Tenor disse que intenção não era 'ofender' atingidos pela covid-19

Redação, Ansa

29 de julho de 2020 | 12h33

O tenor italiano Andrea Bocelli pediu desculpas nesta quarta-feira, 29, por suas recentes declarações sobre a pandemia do novo coronavírus.

Em mensagem publicada nas redes sociais, o astro diz que sua intenção "não era ofender quem foi atingido pela covid". "Se minha intervenção no Senado gerou sofrimento, peço sinceras desculpas por isso, porque não era a minha intenção", afirma.

Bocelli faz referência à sua participação em um debate organizado por parlamentares negacionistas no Senado da Itália, na última segunda-feira, 27. Na ocasião, o tenor chegou a se referir à crise como "a assim chamada pandemia".

"Tentei me identificar com quem tinha de tomar decisões difíceis. Depois, tentei analisar a realidade e vi que as coisas não eram como nos contavam. [...] Conforme o tempo foi passando, graças a Deus não conheci ninguém que tivesse ido para a UTI, então por que essa gravidade?", questionou.

Além disso, Bocelli afirmou ter se sentido "humilhado e ofendido" pela proibição de sair de casa durante o lockdown na Itália e confessou ter violado a quarentena em algumas ocasiões. O flerte do tenor com o negacionismo gerou uma onda de críticas contra uma figura que até então era considerada uma unanimidade no país.

Desculpas

Em seu pedido de desculpas, Bocelli diz que o objetivo de sua intervenção no Senado era divulgar uma mensagem de esperança por "um futuro próximo no qual se possa reencontrar a normalidade, sobretudo as crianças".

"Era apenas esse o sentido de minha intervenção, e a todos aqueles que, por causa do modo como me expressei - certamente, não o mais feliz - e das minhas palavras, encontraram motivos para se sentir ofendidos ou sofreram pelo que eu disse, peço sinceras desculpas, porque minhas intenções eram exatamente o contrário", acrescenta.

O tenor também lembra que ele e sua família contraíram o novo coronavírus. "Todos tememos o pior, porque ninguém pode conhecer o andamento de uma doença como essa, que ainda é desconhecida", ressalta. Bocelli chegou inclusive a doar plasma sanguíneo para uma pesquisa sobre tratamentos para a covid-19 e ajudou hospitais com recursos e equipamentos. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.