Hélvio Romero / Estadão
Hélvio Romero / Estadão

Análise: Tiê faz a ligação entre o indie e o mainstram, entre Luan Santana e Rafael Castro

'Gaya' saiu pela Warner Music

Pedro Antunes , O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2017 | 06h01

Há tempos a música brasileira precisava de uma artista como Tiê. Vinda do folk delicado e intimista, na ponta mais extrema do conceito do que é ser independente hoje, ela atravessou as trincheiras do mercado alternativo, descolou um contrato com uma gravadora (a Warner Music) e despontou na trilha sonora de uma novela da TV Globo (com A Noite, tocada à exaustão no folhetim I Love Paraisópolis, de 2015).

Ganhou público, encheu shows, vendeu discos – se é que a vendagem física ainda tenha serventia na era da música digital e por streaming. Puristas do indie torceram o nariz – porque afinal é a especialidade desses tipos –, mas Tiê seguiu seu caminho em linha reta. Certa do que quer. 

Em tempos de mentes cheias de cabrestos e conceito “amo ou odeio”, Tiê ousa, corajosamente, ao ampliar o escopo. Não quer restringir seu Gaya a um nicho. Coloca, no mesmo balaio, Adriano Cintra (ex-Cansei de Ser Sexy, grupo dance cool brasileiro a sacudir o exterior há alguns anos) e André Whoong, parceiro antigo e dono de talento para dar temperar saborosamente amores insossos, como produtores.

+++ ENTREVISTA: Tiê diz que precisou “mergulhar de cabeça” no luto para compor novo álbum

Nas participações, tem do indie inventivo Alexandre Kassin (a lap steel de Amuleto) e a voz inconfundível e radiofônica de Luan Santana (ele, mesmo, pessoal). Na parceria vocal com o ícone do sertanejo jovem, chamada Duvido, Tiê faz a função de ponte. Conecta o dois pra lá dois pra cá de Luan com a letra de Rafael Castro, ícone da resistência da música independente paulistana.

O resultado é suavemente libertino e deliciosamente inocente. Uma canção daquelas para tocar nas rádios – e, assim espero – nas playlists dos descolados que acabaram de perder um grande amor. 

Porque, no fim das contas, Gaya é uma expressão de amor – ouça também a balada Torrada e Café. Amor próprio, a alguém, uma saudade, a um filho. Isso, qualquer um que tenha um coração sente. Seja indie, seja radiofônico. De muros, afinal, o mundo já está cheio demais.

 

Tudo o que sabemos sobre:
TiêMúsicaLuan Santana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.