AP
AP

Análise: Rock in Rio é teste para a ação do tempo no som das bandas

Queen, Rod Stewart e A-Ha, astros de edições pioneiras, voltam ao Brasil 2015 para mostrar ao público que ainda dão um ótimo caldo

Jotabê Medeiros, O Estado de S. Paulo

21 Março 2015 | 07h00

O Rock in Rio possibilitará ao fã de música testar os efeitos da ação do tempo nas composições e na sua capacidade de permanência. Diversos artistas de edições históricas voltam para rever seus públicos.

Em 11 de janeiro de 1985, o Queen tocou para 470 mil pessoas na primeira edição do Rock in Rio. Dois dias depois, Rod Stewart cantou para 110 mil na mesma Cidade do Rock. Meio milhão de pessoas reverenciavam aqueles astros de uma época e um mundo diferentes, o Brasil elegendo um presidente civil, emergindo de uma ditadura. Ambos voltam agora em setembro para celebrar os 30 anos do festival, notáveis convidados da festa de aniversário.

O Queen, é claro, nunca mais será nem sombra do que foi, porque Freddie Mercury é insubstituível. Mas sua fleuma permanece com os outros integrantes, que recebem o reforço do cantor Adam Lambert.

Outro retorno de grande simbolismo ao festival é o da banda norueguesa A-Ha, que tocou para 198 mil pessoas no Rock in Rio de 1991, no Maracanã. Hitmakers de predomínio absoluto nos anos 1980 e 1990, eles têm uma chance única para tentar reavivar sua capacidade de entreter milhões.

Ainda assim, no Rock in Rio de 2015 não dará espaço para que a crítica ao festival se concentre apenas na expressão "museológico" de hábito. Isso se deve às confirmações, essa semana, do duo inglês Royal Blood (talvez a maior revelação dos últimos 2 anos no rock); do supergrupo De La Tierra (que reúne Andreas Kisser, do Sepultura, Alex González, do Maná, Andrés Giménez, do A.N.I.M.A.L, e Sr. Flávio, de Los Fabulosos Cadillacs); além da presença do Hollywood Vampire (banda de Alice Cooper, Johnny Depp e Joe Perry, do Aerosmith), o fator novidade está bem servido.

O elenco mainstream é estelar, encabeçado por Rihanna e Katy Perry, ainda em seus auges e movimentando o mercado de gossips. O rock tem um time incontestável: Metallica, System of a Down, Slipknot, Motley Crüe, Mastodon, Faith no More, entre outros. Das melhores bandas de heavy metal surgidas nos últimos 15 anos, o grupo Mastodon, de Atlanta, Georgia, traz o show de um elogiadíssimo álbum, Once More 'Round the Sun, e deve ser uma das surpresas.

Na próxima semana, haverá o anúncio das atrações do palco Sunset, um dos espaços de experimentação, liberdade e grandes encontros do Rock in Rio. É onde paira uma grande expectativa para a crítica, mais chatinha, que quer ver onde se dá a dialética do festival. O curador do Palco Sunset, que também é músico e artista, Zé Ricardo, até teve de cancelar show que faria em São Paulo, no dia 9, para conseguir fechar os encontros que planeja para a edição. Desse mato tem que sair boas lebres.

Mais conteúdo sobre:
Rock in Rio Queen Rod Stewart A-Ha Metallica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.